Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Secex publica cotas de montadoras de novo acordo com México

Volkswagen terá cota de exportação de US$ 282,7 mi, enquanto General Motors terá US$ 140,8 mi, Fiat Chrysler, US$ 131,6 mi e Ford US$ 105,8 mi

A Secretaria de Comércio Exterior (Secex) publicou nesta quinta-feira portaria com as regras para as cotas de exportação de veículos do Brasil ao México, com os grupos Volkswagen, General Motors, Fiat Chrysler e Ford ficando com as maiores parcelas.

Segundo a portaria, a parcela de 70% da cota de 1,56 bilhão de dólares, equivalente a cerca de 1,1 bilhão de dólares, será distribuída com base em critérios que incluem volume de veículos exportados por cada marca nos últimos seis anos e proporção de licenciamentos no mercado interno. A cota é válida até 18 de março de 2016.

Com isso, a Volkswagen terá cota de exportação de 282,7 milhões de dólares, enquanto General Motors terá 140,8 milhões, Fiat Chrysler, 131,6 milhões e Ford 105,8 milhões. Uma parcela de 10%dos 1,1 bilhão de dólares será destinada a novos exportadores, segundo a portaria.

Leia mais:

Brasil renova acordo automotivo com o México

México ultrapassa Brasil em ranking de maiores produtores de veículos

Produção de veículos cai 28,9% em fevereiro, aponta Anfavea

Acordo – O novo regime automotivo, renovado por mais quatro anos no começo deste mês, vai permitir que cada país exporte para o outro até 1,56 bilhão de dólares nos próximos 12 meses, sem o pagamento do Imposto de Importação. O que exceder esse valor será taxado à alíquota de 35%. A partir de março de 2016, a cota subirá 3% a cada ano.

O acordo significa uma restrição maior do governo brasileiro à entrada de automóveis mexicanos no país num momento em que a balança comercial opera no vermelho e o mercado interno para carros está desaquecido. O acordo em vigor foi assinado em 2012.

No ano passado, a comercialização foi de 1,64 bilhão de dólares de veículos leves para ambos os lados sem pagamento de Imposto de Importação. O México chegou a usar toda a cota permitida para vender ao Brasil e, por isso, estava pressionando para que o comércio bilateral no setor automotivo fosse sem limitações.

(Com agência Reuters)