Clique e assine a partir de 9,90/mês

Sarkozy e Merkel reforçam compromisso com a Grécia

Os líderes, no entanto, alertam que, se a Grécia não se manter firme no programa de cortes e privatizações, poderará parar de receber ajuda financeira

Por Da Redação - 14 set 2011, 16h02

França e Alemanha disseram nesta quarta-feira que estão “convencidos” de que o futuro da Grécia está na zona do euro, enquanto o primeiro-ministro grego, George Papandreou, manifestou sua “absoluta determinação” com os compromissos adotados em relação ao resgate financeiro de seu país. As informações foram divulgadas pela presidência francesa, após teleconferência realizada entre os três líderes.

A conferência – agendada devido à forte volatilidade pela qual passam os mercados financeiros ante a possibilidade de quebra da Grécia – ajudou a trazer otimismo ao mercado nesta quarta-feira, disseram especialistas. “O presidente da República e a chanceler estão convencidos de que o futuro da Grécia está na zona do euro”, disse o governo da França em comunicado.

Ao mesmo tempo, Sarkozy e Merkel reiteraram à Grécia que, se não for cumprido o rigoroso programa de cortes e privatizações que visam a redução do déficit e da dívida pública, o país não continuará recebendo os fundos de um primeiro plano de resgate acordado no ano passado pela União Europeia e pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). Esse plano, de 110 bilhões de euros, evitou a quebra de Atenas.

Determinação grega – Segundo a nota da Presidência francesa, “o primeiro ministro grego confirmou a absoluta determinação de seu governo em tomar todas as medidas necessárias para aplicar o conjunto das medidas previstas”.

Continua após a publicidade

Os dirigentes da União Europeia acordaram em 21 de julho um segundo plano de resgate à Grécia, de 159 bilhões de euros. A aplicação desse plano, no entanto, depende da aprovação por parte dos governos e parlamentos dos membros da zona do euro, integrada por 17 países. “O presidente da República e a chanceler disseram que, mais do que nunca, é indispensável aplicar plenamente as decisões adotadas em 21 de julho pelos chefes de estado e de governo da zona do euro para assegurar a estabilidade da região”, disse a presidência francesa.

A Grécia espera pelo desembolso de 8 bilhões de euros, correspondentes à sexta parte do primeiro plano de resgate. “A aplicação dos compromissos do programa é indispensável para que a economia grega possa encontrar um crescimento sustentável e equilibrado”, afirmou a presidência francesa.

(com Agence France-Presse)

Publicidade