Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

FGTS: Saque-aniversário será liberado a partir de abril; veja calendário

Em 2020, trabalhador que optar pela nova modalidade de saque do governo terá cronograma para saque que não corresponde ao mês de nascimento

Por Larissa Quintino Atualizado em 4 jun 2024, 15h34 - Publicado em 1 out 2019, 10h55

Os trabalhadores têm de hoje a 31 de dezembro para optar pela modalidade de saque anual do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), chamado de saque-aniversário. Apesar do nome, em 2020, primeiro ano da liberação de recursos autorizada pelo governo Bolsonaro, os saques seguem um calendário específico, que começa em abril, para os aniversariantes de janeiro e fevereiro.

O saque-aniversário não invalida a liberação dos 500 reais por cada conta que o trabalhador, o saque-imediato. Porém, em caso de demissão sem justa causa, é importante lembrar que o saldo do FGTS não pode ser levantado. A multa de 40% sobre o valor depositado no fundo; entretanto, poderá ser sacada normalmente.

Os valores podem ser retirados tanto em agências da Caixa Econômica Federal, caixas eletrônicos e casas lotéricas. O trabalhador também pode fazer a opção por receber a parcela do benefício em uma conta-corrente de sua titularidade tanto na Caixa quanto em qualquer outra instituição bancária.

A partir de 2021, os recursos serão liberados no período de aniversário. Ao fazer a opção, é possível escolher duas opções de dada:  no 1º do mês de aniversário  ou no dia 10 ou próximo dia útil subsequente, quando este dia for sábado, domingo ou feriado.

Continua após a publicidade

Quando vale a pena

O trabalhador que escolher por esse modelo pode voltar ao saque-rescisão quando quiser (modalidade tradicional do FGTS, que os recursos são liberados em demissão sem justa causa). Porém, a partir de 2020, é necessário cumprir um período de carência de dois anos entre um modelo e outro para conseguir levantar os recursos do fundo. Como a medida cria o risco de ficar, ao mesmo tempo, desempregado e sem direito ao fundo, a decisão sobre migrar ou não para a nova regra depende de diversos fatores como a estabilidade empregatícia e a intenção de gastos. A decisão, portanto, é de médio a longo prazo.

VEJA conversou com especialistas para mostrar quando vale a pena ou não optar pelos saques anuais do FGTS.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.