Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

São Martinho compra 32% da usina Santa Cruz

Empresa vai desembolsar 187,4 milhões pela transação

Por Da Redação 1 nov 2011, 09h00

A compra da Santa Cruz se deu por valores abaixo dos registrados no mercado atualmente

O Grupo São Martinho anunciou na segunda-feira a compra de 32,18% da usina Santa Cruz, localizada em Américo Brasiliense, interior paulista. Além da fatia na usina, o São Martinho adquiriu também 17,97% da Agropecuária Boa Vista S/A, que detém as terras onde ficam as usinas e a cana-de-açúcar da Santa Cruz. “Como a Santa Cruz possui ações da Boa Vista, vamos ter 32,52% da Boa Vista por meio de participação direta e indireta”, disse o presidente da São Martinho, Fábio Venturelli. Segundo ele, a empresa vai desembolsar 187,4 milhões de reais pelas participações na Santa Cruz e na Agropecuária Boa Vista.

Este total será pago em três parcelas, sem correção monetária. “Vamos pagar com a própria eficiência de nossa operação e isto não irá afetar o nosso endividamento”, disse Venturelli. O Grupo São Martinho possui um dos menores endividamentos do setor, com uma relação entre dívida e geração de caixa (Ebitda) inferior a 1.Do total desembolsado, 55,5 milhões de reais irão para o pagamento da usina e 131,9 milhões de reais para a compra das terras. A primeira parcela, de 59,4 milhões de reais, será paga no ato. Outros 63 milhões de reais serão pagos em um ano e 67 milhões de reais, em dois anos.

A usina Santa Cruz possui uma capacidade de moagem de 4 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, que está completamente tomada, de acordo com Venturelli. O executivo afirma que a empresa produziu, na safra 2010/11, 300 mil toneladas de açúcar e 150 milhões de litros de etanol. “Ela conta com 90% de cana própria, sendo 42% em terras próprias, com 84% da colheita mecanizada e 92% do plantio mecanizado. É uma das mais modernas usinas do país, em linha com as outras unidades do Grupo São Martinho”, disse.

Com a participação da Santa Cruz, o Grupo São Martinho passa a ter uma capacidade de processamento de 16,5 milhões de toneladas por ano – o grupo figura na lista das dez primeiras usinas do país por produção e das cinco maiores por receita. A Santa Cruz também produz 240 mil megawatts/hora de bioeletricidade, dos quais 175 mil megawatts foram comercializados no leilão de fontes alternativas de 2007 a um preço de 160 reais por MW. Em 2010, a Santa Cruz teve uma receita de 481 milhões de reais e um Ebitda ajustado de 217 milhões de reais, atingindo uma margem de 47,6%.

“Vamos ter ganhos significativos em sinergia com a Santa Cruz, principalmente no corte, carregamento, transporte e plantio da cana, que respondem por 75% dos custos de produção”, disse Venturelli. O Grupo São Martinho tem o direito de preferência para adquirir o controle da Santa Cruz e, nesse caso, a Santa Cruz quer ações da Agropecuária Boa Vista como pagamento. Nesse momento, será criado um conselho de administração com cinco membros, em que a São Martinho terá duas cadeiras.

De acordo com Venturelli, o Grupo São Martinho entrou na Santa Cruz adquirindo ações de minoritários que quiseram sair da empresa. Com a entrada da São Martinho, a Luiz Ometto Participações permanece como principal acionista, com 55,31% do controle. Outros minoritários detêm 12,51% de participação, ficando o restante com o São Martinho.

A compra da Santa Cruz se deu por valores abaixo dos registrados no mercado atualmente. A usina Santa Cruz saiu por cerca de 89 dólares por tonelada, ante 130 dólares registrados recentemente. Além disso, se for descontado o valor atribuído à venda de energia elétrica da cogeração, o negócio saiu a 69 dólares por tonelada. Em relação ao total pago pelas terras da Boa Vista, a São Martinho desembolsou cerca de 50 mil reais por alqueire. Recentemente, as terras da São Martinho em Pradópolis (SP) foram avaliadas em 84,7 mil reais por alqueire.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade
Publicidade