Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Santos e Belém serão os primeiros portos licitados

Ministro Leônidas Cristino afirma que 159 áreas portuárias serão arrendadas a parceiros privados nos próximos meses

Por Da Redação - 18 fev 2013, 13h55

O ministro da Secretaria de Portos, Leônidas Cristino, disse nesta segunda-feira que o governo vai começar por Santos e Belém o processo de licitação de terminais portuários cujos contratos estão vencidos ou por vencer. O comentário foi feito em entrevista coletiva após reunião no Palácio do Planalto para tratar da MP dos Portos.

Segundo o ministro, há um total de 159 áreas que serão licitadas, das quais 42 são novas. A lista das áreas passíveis de licitação seria publicada hoje pela Secretaria dos Portos.

A MP dos Portos fixa prazo de 60 dias para que todas essas áreas sejam licitadas, mas o governo já admitiu que não conseguirá concluir o processo dentro do tempo. Segundo Cristino, as áreas em Santos e Belém, que são prioritárias, deverão ir a leilão ainda no primeiro semestre – essas áreas, no entanto, ainda são objeto de estudo de viabilidade econômica que não foram concluídos.

Leia também:

Publicidade

Investimento em portos é o pior dos últimos 4 anos

Em MP, governo detalha a privatização dos portos

Conforme explicou o ministro, o critério de escolha dos novos arrendatários não será mais o maior valor de outorga, como estabelecia a legislação anterior. “O empresário que ganhar não vai ser mais (por) outorga, (será) maior movimentação de carga e menor preço”, disse.

Cristino destacou que o Porto de Belém é considerado “estratégico” por causa da existência de terminais para movimentação de combustíveis, considerados importantes para o abastecimento da região amazônica.

Publicidade

De acordo com o ministro, serão cerca de 20 terminais a serem licitados em Santos e Belém.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade