Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Santander pede desculpas por carta sobre candidatura de Dilma

Mensagem encaminhada a clientes de alta renda afirmava que sucesso da presidente Dilma em pesquisas eleitorais seria prejudicial para economia brasileira

Por Da Redação 25 jul 2014, 16h49

O banco Santander pediu desculpas nesta sexta-feira por uma mensagem direcionada aos clientes de alta renda (do segmento Select), afirmando que o aumento das intenções de voto da presidente Dilma Rousseff teria efeitos prejudiciais para a economia brasileira. “Se a presidente se estabilizar ou voltar a subir nas pesquisas, um cenário de reversão, o câmbio voltaria a se desvalorizar, os juros longos retomariam a alta e o índice da Bovespa cairia, revertendo parte das altas recentes. Esse último cenário estaria mais de acordo com a deterioração de nossos fundamentos econômicos”, dizia a carta intitulada “Você e seu Dinheiro”. O documento convidava os clientes a entrar em contato com o banco para reavaliar seus investimentos, de acordo com o atual cenário.

Leia também:

Copom vê inflação resistente nos próximos trimestres

Governo reduz previsão de alta do PIB para 1,8% em 2014

Brasil tem 90% de chance de entrar em recessão, aponta estudo

Após a repercussão da notícia em diversos veículos de comunicação, o Santander publicou uma nota em seu site informando que o texto não reflete, de forma alguma, o posicionamento da instituição. “O referido texto feriu a diretriz interna que estabelece que toda e qualquer análise econômica enviada aos clientes restrinja-se à discussão de variáveis que possam afetar a vida financeira dos correntistas, sem qualquer viés político ou partidário. Sendo assim, o Banco pede desculpas aos clientes que possam ter interpretado a mensagem de forma diversa dessa orientação, e reitera sua convicção que a economia brasileira seguirá sua bem-sucedida trajetória de desenvolvimento”.

Santander
Santander VEJA

Leia ainda:

Investidores se decepcionam com pesquisa Ibope e Bovespa cai 1%

Após resultado do Datafolha, bolsa registra maior nível em 16 meses

Continua após a publicidade
Publicidade