Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Sanções à Rússia criam clima de desconfiança sobre hegemonia do dólar

A desvalorização de curto prazo da moeda americana espelha uma preocupação de longo prazo que ronda as altas esferas das finanças globais

Por Luana Meneghetti Atualizado em 28 mar 2022, 16h05 - Publicado em 27 mar 2022, 08h00

Um fenômeno raro animou os brasileiros que realizam operações financeiras com base no câmbio ou pretendem viajar ao exterior. Em seis dias consecutivos, até a quarta-feira 23, a cotação do dólar caiu frente ao real. Ao baixar para 4,84 reais, a moeda americana chegou ao seu menor valor desde a disparada deflagrada pelo início da pandemia da Covid-19, há pouco mais de dois anos. Com isso, em 2022, o real já se valorizou 13,4%, tornando-se a moeda de melhor desempenho entre as 25 mais fortes do planeta. As justificativas dadas pelos analistas para tal guinada costumam variar entre o interesse dos estrangeiros em investir nas empresas de commodities brasileiras e o impacto da subida dos juros no país, atualmente em 11,75% ao ano.

TROCA DE GUARDA - Lingotes de ouro na Rússia: substituição dos dólares -
TROCA DE GUARDA - Lingotes de ouro na Rússia: substituição dos dólares – Alexander Manzyuk/Anadolu Agency/Getty Images

Sejam quais forem as razões para a surpresa positiva, a desvalorização de curto prazo do dólar espelha uma preocupação de longo prazo que ronda as altas esferas das finanças globais. Nos últimos anos, tornou-se foco de discussões entre especialistas a possibilidade de a moeda americana perder seu status de referência mundial, utilizada como reservas pelas nações, para as trocas comerciais internacionais e para investimentos entre fronteiras. Se a ascensão da China como uma grande potência econômica e das criptomoedas já chamavam a atenção, o tema adquiriu relevância ainda maior com a invasão da Ucrânia pela Rússia, e as consequentes sanções econômicas levantadas pelas potências ocidentais encabeçadas pelos Estados Unidos.

arte Eco Dólar

Especialmente nos últimos vinte anos, as reservas internacionais em dólares vêm encolhendo de forma lenta e gradual. Estima-se que cerca de 60% das reservas do mundo são compostas por moeda americana, índice que já chegou a ser superior a 80%, até 1975. Com a guerra, é provável que o dólar terá pela frente a maior ameaça ao seu domínio. “Com o poder dos Estados Unidos para aplicar sanções financeiras que abalam a economia global, a moeda começa a perder credibilidade”, diz José Marcio Camargo, economista-chefe da gestora Genial Investimentos.

De olho na perspectiva de um potencial contra-ataque financeiro, do tipo utilizado anteriormente em relação a Irã e Venezuela, a Rússia de Vladimir Putin já vinha se preparando há tempos para depender menos da moeda americana. Em 2011, passou a se desfazer dos títulos do Tesouro americano que detinha, substituídos em grande medida por ouro. Em 2000, as reservas em ouro da Rússia somavam 24,7 bilhões de dólares. Hoje, estão na casa dos 133,6 bilhões de dólares, representando 21,2% dos 631,1 bilhões de dólares do Tesouro russo. Em meio às animosidades no fim do governo de Donald Trump, a China também sinalizou que reduziria em até 20% seu 1,047 trilhão de dólares em papéis do Tesouro americano.

Continua após a publicidade

ESTRATÉGIA - Vladimir Putin: reservas em moeda americana foram zeradas -
ESTRATÉGIA – Vladimir Putin: reservas em moeda americana foram zeradas – Ramil Sitdikov/KREMLIN POOL/SPUTNIK/EPA/EFE

Meses antes de a Rússia invadir a Ucrânia, o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, já alertava que a moeda americana seria a principal arma a ser usada contra os russos. “Se eles invadirem, vão pagar. Seus bancos não poderão negociar em dólares”, ameaçou. Três dias após a ofensiva militar, a promessa foi cumprida e os russos foram excluídos do SWIFT, a principal rede de pagamentos globais, que conecta 11 000 instituições financeiras em mais de 200 países. Dessa forma, o rublo despencou em mais de 30%, e se espera um encolhimento de até 12% da economia russa. Ao tornar o dólar uma arma, os Estados Unidos demonstram força, mas também criam uma reação contrária. Há duas semanas, a Arábia Saudita divulgou que avalia vender petróleo para a China em iuane, para a qual vende um quarto de suas exportações da commodity. Atualmente, 80% das transações de petróleo pelo mundo são feitas em dólar.

NOVA ARMA - Xi Jinping: o objetivo é fortalecer o iuane como alternativa global ao cerco financeiro aos russos -
NOVA ARMA - Xi Jinping: o objetivo é fortalecer o iuane como alternativa global ao cerco financeiro aos russos – Lintao Zhang/Getty Images

Um dos grandes objetivos estratégicos da China é justamente fortalecer o iuane no cenário global como alternativa à moeda americana. “Muitos países têm balança comercial mais favorável à China do que aos Estados Unidos, e ela hoje possui enorme presença comercial na América Latina, Europa e Oriente Médio”, diz Pablo Ibanez, professor de geopolítica da Universidade Fudan, de Xangai. Com a Nova Rota da Seda, uma série de investimentos em infraestrutura internacional, a China possui acordos com 145 países, os quais incluem trocas significativas em iuanes.

artes Eco Dólar

Se a hegemonia do dólar parece estar se enfraquecendo, ainda não existe no planeta uma moeda capaz de tirar sua liderança nas transações globais. Apesar de o iuane ter saído da 35ª posição, em 2010, para ser a quarta moeda mais transacionada no sistema financeiro global, cerca de 40% dos pagamentos globais no sistema SWIFT são em dólares, ante apenas 2,7% em iuanes. Para as criptomoedas, que também estariam sendo utilizadas pela Rússia para comercializar produtos, falta a estabilidade de valor. “O mundo ainda não perdeu o domínio do dólar e não perderá tão cedo”, diz Steve Hanke, professor de economia aplicada na Universidade Johns Hopkins. Mas é fato que a moeda americana já reluz um pouco menos do que brilhou no passado.

Publicado em VEJA de 30 de março de 2022, edição nº 2782

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)