Clique e assine a partir de 9,90/mês

Samsung vai desabilitar o Galaxy Note 7 para impedir seu uso

Smartphone deixou de ser produzido por causa de episódios de explosão de sua bateria, mas alguns proprietários continuam a utilizá-lo

Por Da redação - Atualizado em 9 dez 2016, 19h10 - Publicado em 9 dez 2016, 18h58

A Samsung anunciou nesta sexta-feira que desabilitará seu smartphone Galaxy Note 7 nos Estados Unidos para impedir que os proprietários continuem utilizando o aparelho. Com sérios problemas de segurança, o modelo teve sua produção interrompida depois de dezenas de relatos de incêndio e explosão dos aparelhos no momento em que suas baterias eram recarregadas.

A gigante eletrônica sul-coreana e maior produtora de smartphones do planeta informou que 93% dos Galaxy Note 7 nos EUA foram devolvidos à empresa. Mas, para retirar os últimos Galaxy Note 7 que permanecem em uso, a companhia fará uma atualização no sistema que impedirá sua recarga.

“Para incrementar o recolhimento, haverá uma atualização do software, a partir de 19 de dezembro, que impedirá a recarga dos Galaxy Note 7 nos Estados Unidos e eliminará sua capacidade para funcionar como dispositivo móvel”, informou a Samsung em um comunicado. O usuário pode trocar seu Galaxy Note 7 por outro smartphone da Samsung ou receber o dinheiro de volta.

O grupo retirou cerca de 2,5 milhões de Galaxy Note 7 de dez mercados quando surgiram os problemas com as baterias de lítio, que explodiam durante a recarga. Os aparelhos substituídos também apresentaram problemas, inclusive com risco de incêndio.

Continua após a publicidade

Ao menos 1,9 milhão de smartphones foram vendidos nos Estados Unidos, onde o Galaxy Note 7 é terminantemente proibido a bordo de aviões. O Aparelho não chegou a ser lançado no Brasil

 

(Com AFP)

Publicidade