Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Saldo da balança comercial até novembro é o menor desde 2000

Resultado de novembro foi o melhor desde 2007, influenciado pela exportação de plataformas de petróleo

Por Da Redação 2 dez 2013, 14h59

A balança comercial brasileira registrou superávit de 1,740 bilhão de dólares em novembro, informou nesta segunda-feira o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O saldo positivo do mês decorreu, sobretudo, da exportação de duas plataformas de petróleo, no valor total de 1,8 bilhão de dólares. O resultado da balança veio muito acima do esperado por analistas, que previam um superávit em torno de 300 milhões de dólares. O desempenho mensal é o melhor para o período desde 2007, mas o acumulado do ano continua nos patamares mínimos – mesmo com o resultado de novembro, trata-se do pior desempenho em onze meses desde 2000.

No mês passado, as exportações somaram 20,862 bilhões de dólares e as importações, 19,122 bilhões de dólares. No acumulado do ano, as vendas atingiram 221,333 bilhões de dólares, com queda de 1,1% pela média diária das operações em comparação a igual período do ano passado. Já as importações estão em 221,422 bilhões de dólares, com alta de 7,2% em comparação ao mesmo período do ano passado. O saldo negativo nos 11 primeiros meses do ano ficou em 89 milhões de dólares e contrasta fortemente com o superávit de 17,154 bilhões de dólares obtido entre janeiro e novembro de 2012.

Leia também:

Balança comercial acumula pior déficit no ano desde 1998

OCDE aponta piora nas balanças comerciais de Brasil e China

Plataformas – Apesar do impacto positivo na balança, as plataformas não chegaram, de fato, a sair do Brasil em direção a outros mercados. São, na verdade, resultado de uma engenharia tributária de empresas de construção naval para escapar dos altos impostos.

As plataformas são compradas por meio de subsidiárias no exterior de empresas brasileiras. Logo, passam a ser utilizadas no Brasil pela empresa nacional. Ou seja, não chegam nem mesmo a sair do país. O mecanismo é legal e é constantemente usado por empresas do setor.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade