Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Saída de dólares do Brasil em 2013 superou entrada em US$ 12 bilhões

Resultado negativo é o primeiro desde 2008 e o pior desde 2002

Por Da Redação - 8 jan 2014, 13h08

O fluxo cambial – a diferença entre a entrada e saída de moeda estrangeira do país – ficou negativo em 12,261 bilhões de dólares em 2013, informou o Banco Central nesta quarta-feira. Trata-se do maior déficit desde 2002, quando o montante foi de 12,989 bilhões de dólares.

O resultado deve-se ao saldo negativo da conta financeira – por onde passam os investimentos estrangeiros diretos e em portfólio, entre outros – de 23,396 bilhões de dólares no ano passado. Só em dezembro, o desempenho dessa conta foi deficitário em 6,898 bilhões de dólares.

Já a conta comercial registrou, segundo o BC, entrada líquida de 11,136 bilhões de dólares no ano passado. O resultado de dezembro ficou negativo em 1,881 bilhão de dólares.

O BC informou também que os bancos encerraram dezembro com posição cambial vendida de 18,124 bilhões de dólares, maior do que os 13,608 bilhões de dólares registrados em 16 de dezembro passado.

Publicidade

Leia mais:

Dólar alto não inibe turistas e gastos no exterior batem novo recorde

BC detalha intervenções no câmbio para 2014

O desempenho global do ano passado também é o primeiro negativo desde 2008, no auge da crise financeira global. “O cenário internacional está mais complexo para o Brasil e para todos os países emergentes. Isso não significa uma fuga de capitais e não é esse o cenário adiante para o país, mas uma saída persistente a moderada”, afirmou o economista da Rosenberg & Associados Rafael Bistafa.

Publicidade

O déficit no fluxo cambial de 2013 coincide com a forte valorização do dólar no Brasil – a moeda americana acumulou alta de 15,11% ante o real no período. O crescente pessimismo de investidores com o desempenho da economia brasileira e a mudança no programa de estímulos do Federal Reserve (Fed), banco central americano, pesaram.

Em maio, o Fed deu os primeiros sinais de que poderia reduzir sua compra mensal de ativos de 85 bilhões de dólares, o que reduziria a liquidez internacional. O anúncio efetivo de corte aconteceu somente em dezembro, o que deixou os mercados nervosos durante todos esses meses. Diante desse cenário, o BC brasileiro iniciou, em agosto passado, um programa de intervenção cambial através de leilões de contratos de swaps cambiais e de venda de dólares com compromisso de recompra.

Leia também:

Dólar lidera entre investimentos e poupança é vice​

Publicidade

Tombini: mercado se beneficiará se retirada dos estímulos do Fed for atencipada

(com agência Reuters)

Publicidade