Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Risco de racionamento no Sul e Sudeste ultrapassa 20%, aponta estudo

Segundo levantamento da consultoria Excelência Energética feito com base nos dados do ONS, risco de apagões na maior região consumidora do país também ultrapassa 54%

Por Naiara Infante Bertão 22 jan 2015, 16h03

O risco de racionamento de energia no Sul, Sudeste e Centro-Oeste (SE/CO) é alarmante. Segundo estudo feito pela consultoria Excelência Energética, a pedido do site de VEJA, a probabilidade de os moradores do SE/CO terem de, obrigatoriamente, cortar 5% do consumo de energia (o mínimo de uma situação de racionamento) está em 20,2%. Para o Sul, esse porcentual é ainda maior, de 20,6%. Como base de comparação, há um ano, já com previsões de chuvas escassas para 2014, o risco não passava de 6% para essas áreas.

Quando observada a probabilidade de ocorrer novos apagões, como os vistos na segunda-feira em onze Estados, ela sobe para 54,5% no Sudeste/Centro-Oeste e 55,15% no Sul. Há um ano, esse risco estava em 20% aproximadamente.

A consultoria levou em conta a relação hoje entre o regime de chuvas previstas, a demanda futura e a capacidade de geração do sistema (já incluindo as usinas termelétricas). Na segunda-feira, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) anunciou que seriam ligadas novas térmicas para elevar a produção em 1500 megawatts, parte de Itaipu e outra parte de usinas térmicas da Petrobras que estavam em manutenção.

Leia também:

Sem chuva, água de usinas só daria para um mês de consumo de energia

Brasil importa energia da Argentina um dia após apagão

Governo não investe o suficiente em melhorias ao setor elétrico

Em um quadro confortável de demanda e oferta de energia elétrica, o ideal seria que o risco de apagão estivesse em menos de 5% e o de racionamento abaixo de 0,5%. “No curto prazo não há o que fazer senão pedir para a população economizar energia”, alerta Erik Rego, diretor executivo da Excelência Energética.

Ao contrário do que preveem os meteorologistas, o novo ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, tem muita fé em providências divinas e andou falando que, como ‘Deus’ é brasileiro, deve trazer um alívio ao país com umidade e chuvas em breve. Isso depois de negar o risco de racionamento e evitar relacionar os apagões de segunda-feira com um pico de demanda de energia que não foi prontamente compensado pela oferta.

Continua após a publicidade

Desde 2012 o Brasil vive períodos pluviométricos mais difíceis, com secas acima das vistas nos anos anteriores, e, mesmo assim, nada foi feito para controlar ou amenizar a situação.

Risco de racionamento e apagão no Brasil
Risco de racionamento e apagão no Brasil VEJA

Leia ainda:

Com alto consumo de energia, governo vai religar térmicas

Dilma tem de vir a público pedir economia de energia, diz especialista

Sudeste e Centro-Oeste tiveram recorde de consumo antes de apagão

Se no curto prazo não há nada que possa ser feito além de diminuir a demanda por energia, via conscientização e até racionamento, se necessário, no longo prazo, Erik Rego cita algumas ações plausíveis. A primeira delas seria alinhar a realidade com a ficção. “O planejamento do setor considera cronogramas de entrada em operação comercial de usinas e sistemas de transmissão totalmente utópicos” comenta. Assim, os órgãos responsáveis pelo planejamento e operação do setor elétrico deveriam recalcular as garantias físicas das hidrelétricas. “O que está no papel como energia disponível é diferente da possibilidade efetiva de geração; é preciso um choque de realidade”, aponta Rego.

Além disso, ele vê a necessidade de planejamento conjunto entre o sistema de transmissão e geração, um problema que ficou evidente em 2013, quando os parques de geração eólica da Renova Energia na Bahia ficaram prontos, mas a Chesf ainda não havia entregado a linha de transmissão. “As restrições de transmissão devem ser consideradas no planejamento e na contratação da geração”, diz.

Também devem ser incentivas a eficiência energética e a geração local distribuída, por exemplo, com painéis fotovoltaicos em residências e comércios. Diversificar a matriz energética e dar o correto sinal de preço ao consumidor – ao contrário de promessas de diminuição de tarifas – também ajudam.

Uma das medidas consideradas acertadas pelos especialistas do setor é a implementação do regime de bandeiras tarifárias. Desde 1º de janeiro os consumidores terão um sinal na conta de luz sobre os custos de geração de energia.

Apagão
Apagão VEJA
Continua após a publicidade
Publicidade