Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Risco de racionamento de luz não está descartado para 2015

Stuação dos reservatórios na região Sudeste sugere que qualquer incidência de chuvas abaixo das expectativas obrigará o governo a agir

Por Da Redação 27 dez 2014, 07h36

A previsão de que o volume de chuvas no chamado período úmido ficará próximo à média histórica afasta, mas não elimina o risco de racionamento de luz ao longo de 2015. A atual situação dos reservatórios na região Sudeste, abaixo de 20% da capacidade de armazenagem, sugere que qualquer incidência de chuvas abaixo das expectativas obrigará o governo brasileiro a agir para garantir o abastecimento ao mercado.

Leia também:

Energia elétrica ficará mais cara em janeiro

Até o final de abril, quando termina o chamado período chuvoso, o nível dos reservatórios precisará ultrapassar o patamar de 30% da capacidade de armazenagem no Sudeste para garantir ao Brasil condições de superar o período seco. Ainda assim, são grandes as chances de, em dezembro de 2015, o tema racionamento estar em pauta e a preocupação com o nível de chuvas durante o período úmido ser realidade novamente.

Há, neste momento, indicação de que o volume de chuvas no período úmido ficará próximo à média histórica ou levemente abaixo desse patamar. Confirmada a projeção, o nível de água armazenada nos reservatórios subirá até abril, garantindo condições de abastecimento elétrico durante o período seco – entre maio e outubro.

No mês passado, o diretor geral do Operador Nacional do Sistema (ONS) elétrico, Hermes Chipp, destacou que chuvas próximas a 70% da média histórica elevariam o nível dos reservatórios a 35% da capacidade ao final de abril. Caso esses mesmos 70% da média fossem mantidos no período seco, o nível dos reservatórios chegaria a 10% em novembro, um patamar ainda considerado aceitável para garantir o abastecimento nacional. Especialistas adotam tom mais cauteloso e afirmam que o volume de chuvas no período úmido precisará ficar em no mínimo 80% da média.

Leia mais:

Distribuidoras de energia correm risco de ficar inadimplentes

Continua após a publicidade

País deixa de fazer mais de um terço de obras antiapagão

Governo derruba ‘à força’ teto do preço da energia no curto prazo

Como o nível de chuvas nos próximos quatro meses ainda é incerto, especialistas estimam que o risco de haver racionamento em 2015 oscila entre 10% e 20%. Entre duas e quatro vezes mais do que o risco de até 5% considerado aceitável pelo governo federal.

Térmicas – A diferença entre os números e a necessidade de recomposição dos reservatórios leva os especialistas a acreditarem que o ONS vai trabalhar com as térmicas acionadas durante grande parte do ano, tendo espaço para desligar as mais onerosas apenas em momentos favoráveis. O efeito dessa medida será percebido no custo da geração da energia e, consequentemente, nas tarifas de energia.

“A tendência é de que as condições hidrológicas não sejam tão diferentes daquelas de 2014. Será melhor, mas não muito melhor. E, ainda assim, chuvas na média não serão suficientes para a recomposição dos reservatórios”, afirma o diretor executivo da Safira Energia, Mikio Kawai Júnior. “Precisaremos passar o ano com as térmicas ligadas. Assim, devemos passar 2015 sem racionamento, mas isso significa que apenas postergaremos as dúvidas para 2016.”

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade