Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Restrição do teto de gastos provoca corrida por recursos para 2022

A disputa é cada vez mais complexa e pode provocar aumento de tributos

Por Carlos Valim, Victor Irajá Atualizado em 4 jun 2024, 13h21 - Publicado em 23 jul 2021, 06h00

O teto de gastos, instituído no Brasil em 2016, foi criado como uma espécie de seguro contra maus políticos. Por meio desse mecanismo, fundamental para o equilíbrio das contas públicas, o governo é obrigado a respeitar um valor máximo para as despesas, anualmente corrigido pela inflação oficial. Às vésperas das eleições de 2022, o teto vai ser testado pela primeira vez em circunstâncias peculiares, a começar pela obstinação cega do presidente Jair Bolsonaro em se manter no cargo. A pouco mais de um ano da disputa eleitoral, vive-se uma corrida para caçar os poucos recursos disponíveis de uma maneira que não afronte o limite estabelecido. Com cerca de 90% do orçamento federal atrelado a obrigações definidas pela Constituição, como aposentadorias, benefícios sociais e os salários dos servidores, o espaço é exíguo. E, do pouco que resta, ministros e o próprio presidente querem um quinhão maior.

Na terça-feira 20, Bolsonaro reafirmou seu desejo de ampliar o valor médio do Bolsa Família, de 193 reais para 300 reais. Com o reajuste, o custo anual com o programa terá um acréscimo de cerca de 19 bilhões de reais e chegará a 53 bilhões de reais.“O novo Bolsa Família será o paraquedas de Bolsonaro para evitar a queda livre de sua popularidade”, diz Gil Castello Branco, da Asso­cia­ção Contas Abertas. O presidente também já acenou com um aumento de 5% dos salários do funcionalismo público para 2022, o que custaria mais 15 bilhões de reais. Juntas, as benesses presidenciais somariam 34 bilhões de reais de gastos extras.

Para custear essas medidas de caráter notoriamente populista, Bolsonaro e seu ministro da Economia, Paulo Guedes, contam com um artifício no cálculo do teto de gastos de 2022. Como o reajuste do limite é feito pela inflação anual medida em junho, já se sabe que o valor será corrigido em 8,35%. Agora, a equipe econômica confia que a inflação vai cair substancialmente nos próximos meses e chegar ao fim do ano a uma taxa bem inferior à do primeiro semestre. É esse índice que calibrará o salário mínimo e terá impacto direto em contas como as da Previdência. Em resumo: com o teto afixado em um patamar mais alto que o valor real das despesas, abre-se uma brecha para se gastar mais sem incorrer no risco de ultrapassar o limite legal. Trata-se, entretanto, de uma aposta arriscada.

PRESSÃO - Freitas, ministro da Infraestrutura: pedido de verbas para projetos -
PRESSÃO - Freitas, ministro da Infraestrutura: pedido de verbas para projetos – (Alberto Ruy/MInfra/.)

Pelas contas feitas no começo do ano pela equipe de Guedes, a inflação atingiria o seu pico em junho e cairia significativamente até o fim do ano. Mas as pressões inflacionárias têm persistido e o governo já admi­te que o pico ainda não chegou. O preço da energia, do petróleo internacional e o dólar alto continuam instáveis. Além disso, a retomada da economia, com o avanço da vacinação, estimula a elevação dos preços dos serviços para os próximos meses. Dessa forma, o mercado aumentou pelas últimas quinze semanas a expectativa de inflação para o ano, agora para 6,31%. Resultado: o espaço adicional no teto pode minguar.

Um estudo do BTG Pactual do começo de julho, assinado pelo economista-chefe Mansueto Almeida, estima que o espaço extra para gastos, que era previsto em 31,1 bilhões de reais, já caiu para 23,4 bilhões de reais por causa da inflação alta. É um valor muito abaixo dos 34 bilhões de reais que Bolsonaro quer gastar. “A combinação de crescimento mais alto, em relação ao baixo nível de atividade do ano passado, com a inflação mais alta até provoca um alívio nas contas, mas não representa um cenário sustentável”, defende o economista Alexandre Schwartsman, ex-diretor de assuntos internacionais do Banco Central. Além de Bolsonaro, ministros como Rogério Marinho, do Desenvolvimento Regional, e Tarcísio Gomes de Freitas, da Infraestrutura, cobiçam dinheiro extra para os projetos de suas pastas, estimulados pelo próprio presidente. Até agora, Guedes tem mostrado certa boa vontade para a destinação de recursos, principalmente para a infraestrutura, mas reclama que as possibilidades são finitas ante aos queixumes dos colegas. Com tanto apetite, o governo acaba sempre tributando — ainda mais — cidadãos e empresas.

Publicado em VEJA de 28 de julho de 2021, edição nº 2748

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.