Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Reservas internacionais dão prejuízo de R$ 44,5 bi ao BC

Perdas decorrem da baixa rentabilidade das reservas e da depreciação do dólar

Por Da Redação 25 ago 2011, 19h25

Prejuízo com as reservas não afeta o balanço do Banco Central porque o Tesouro cobre todas as perdas

As reservas internacionais geraram no primeiro semestre deste ano prejuízo de 44,5 bilhões de reais para o Banco Central, de acordo com dados do balanço do primeiro semestre da autoridade monetária, aprovado nesta quinta-feira pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

O prejuízo é dividido em duas partes. A primeira, de 15,7 bilhões de reais, refere-se à diferença entre a rentabilidade das reservas e o custo dos recursos utilizados pelo BC para comprar dólares. A segunda parte é decorrente da perda de valor em dólar das reservas, por conta da valorização cambial de 6,31%.

Lucro – Apesar dessa forte perda, o BC anunciou que teve um lucro de 12,2 bilhões de reais no primeiro semestre – o melhor resultado para o período desde 2003. Segundo a instituição, o resultado positivo deve-se basicamente às operações de compra e venda de títulos públicos.

Como a acumulação de reservas é uma política de governo, ficou acertado que o Tesouro Nacional cobre integralmente eventuais prejuízos acarretados por essa operação. Dessa forma, a despeito da perda bilionárias com as reservas, o balanço do BC também contém uma receita extra de mesmo valor, por conta do aporte previsto para o Tesouro realizar.

Continua após a publicidade

Rentabilidade – Segundo o BC, o custo de captação de recursos das reservas internacionais foi de 4,56% no primeiro semestre de 2011. O diretor de Administração do BC, Altamir Lopes, informou que essa despesa é significativamente menor que a taxa Selic porque inclui outras formas de obtenção de recursos pelo BC para aquisição de dólares, como depósitos compulsórios, que têm menor custo que os títulos públicos.

Já a rentabilidade das reservas no primeiro semestre foi de apenas 1,55%. A diferença entre os dois números é que levou ao prejuízo de 15,7 bilhões de reais das reservas, que, adicionando-se o impacto da valorização do real, chegou a 44,5 bilhões de reais no primeiro semestre.

Corretoras – O CMN também adotou nesta quinta-feira medida que deve reduzir custos de corretoras, financeiras, distribuidoras e cooperativas de crédito. A nova regra permite que essas instituições obtenham recursos dentro de um mesmo dia junto ao BC, deixando como garantia montante equivalente em título públicos. Assim, elas poderão fazer pagamentos diários sem necessariamente de ter de se desfazer de seus ativos.

Antes, só os bancos tinham acesso a esse “redesconto” diário e as demais instituições tinha de recorrer a eles para obter dinheiro por um dia, no que eram cobrados. A operação é livre de risco para o BC porque, para tomar o dinheiro, a instituição tem que deixar em troca títulos públicos no mesmo montante.

(com Agência Estado)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)