Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Repsol se une à Sinopec para explorar petróleo no Brasil

A aliança cria uma das maiores firmas energéticas da América Latina, com um valor de 17,8 bilhões de dólares

O grupo chinês de refino Sinopec vai comprar 40% das operações brasileiras da espanhola Repsol por 7,1 bilhões de dólares. O objetivo do acordo é desenvolver em conjunto os projetos de prospecção e produção da companhia europeia no Brasil, por meio de uma filial que será controlada em parceria com a empresa chinesa.

A aliança cria uma das maiores firmas energéticas da América Latina, com um valor de 17,8 bilhões de dólares, informou nesta sexta-feira Repsol em comunicado à Comissão Nacional da Bolsa de Valores (CNMV), que regulamenta a bolsa espanhola.

Segundo a fonte, os ativos da Repsol no Brasil estão avaliados atualmente em 10,7 bilhões de dólares. Em virtude do acordo, a Repsol Brasil realizará uma ampliação de capital que será assinada integralmente pela Sinopec, que após a operação passará a controlar 40% da sociedade brasileira, enquanto a companhia espanhola manterá os 60% restantes.

A Repsol estudava há meses distintas fórmulas para financiar a exploração dos hidrocarbonetos encontrados no Brasil, e cogitava lançar na bolsa 40% da filial brasileira ou vender diretamente essa participação a um sócio industrial.

Os fundos captados com a operação cobrirão a totalidade das necessidades de financiamento dos investimentos previstas para o desenvolvimento da bolsa de ativos da Repsol Brasil.

Repsol e Sinopec, cuja aliança deverá receber o sinal verde das autoridades competentes, continuarão com seus planos de expansão no Brasil e participarão, em conjunto ou separadamente, em futuras rodadas de licitação no país.

Para o presidente da companhia petrolífera espanhola, Antonio Brufau, o acordo supõe o reconhecimento da “grande criação de valor que supôs o esforço investidor, tanto em recursos humanos quanto técnicos e materiais, realizado pela Repsol na atividade de prospecção”, particularmente no pré-sal.

Brufau expressou sua satisfação por compartilhar o desenvolvimento dos projetos brasileiros “com um parceiro de reconhecido prestígio no setor, como a Sinopec”, e ressaltou que juntos poderão “ajudar a expandir as relações empresariais” entre China e Espanha. A Sinopec é a maior companhia petrolífera e petroquímica da China, e desenvolve projetos de prospecção e produção de hidrocarbonetos em 20 países.

A companhia petrolífera conta com uma produção anual superior a 350 milhões de barris e reservas comprovadas equivalentes a cerca de quatro bilhões de barris. Segundo o comunicado de Repsol à CNMV, a espanhola é uma das companhias energéticas privadas líderes em prospecção e produção do Brasil, e foi a terceira maior produtora de hidrocarbonetos em 2009. Além disso, conta com uma posição estratégica nas áreas de maior potencial do pré-sal, e lidera, junto à Petrobras e à BG, a atividade exploratória na Bacia de Santos.

Mercado – As ações da Repsol disparavam 6% às 6h50 (horário de Brasília) na Bolsa de Valores de Madri. O grupo espanhol de construção Sacyr-Vallehermoso, que detém cerca de 20 por cento da Repsol, saltava 13%. “A avaliação dos ativos da Repsol no Brasil implica que o acordo está claramente acima do nosso atual cálculo de valor (5,75 bilhões de dólares) e do consenso do mercado, que varia entre 6 bilhões e 8 bilhões de dólares”, disse Filipe Rosa, analista da corretora Espírito Santo.

(Com agências Reuters e EFE)