Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Renda dos brasileiros pode cair até 5% em 2015, preveem economistas

Após uma década de crescimento, poder de compra dos trabalhadores deve ter a maior redução desde 2002, afetado por desemprego, inflação e ajustes

Por Da Redação
9 mar 2015, 12h02

Desemprego mais elevado, inflação estimada em 7,5% e dificuldades em reajustes nas negociações salariais devem provocar, em 2015, a maior redução no poder de compra dos trabalhadores desde 2002. Segundo economistas consultados pelo jornal O Globo, após dez anos de aumentos, a renda deve experimentar a primeira queda real (descontada a inflação), que pode chegar a 5% este ano, nas estimativas mais pessimistas. Com isso, está perto do fim o período de ouro para as famílias brasileiras, que nos últimos anos impulsionaram o crescimento econômico por meio do consumo.

“Com a ausência de crescimento econômico e com a inflação alta, o grande castigo virá pela queda no rendimento, o que complica ainda mais uma retomada do crescimento. A década de bonança acabou”, afirma o economista Claudio Dedecca, da Unicamp.

A renda média ainda deverá crescer nos dois primeiros trimestre deste ano, sob influência do aumento do salário mínimo. O movimento deverá ser revertido no segundo semestre. Já a renda deverá terminar o ano estável, nas estimativas – mais otimistas – do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV).

Leia mais:

Renda domiciliar per capita foi de R$ 1.052 por mês em 2014

Como saber se está na hora de trocar de emprego?

Desemprego fica em 4,7% em outubro, diz IBGE

Continua após a publicidade

A renda das principais regiões metropolitanas brasileiras cresceu 33,1% acima da inflação desde 2004. A alta é considerada atípica por muitos, devido ao avanço prolongado do rendimento – o salário mínimo, por exemplo, subiu 76,54% desde 2002 -, e à aceleração dos preços dos alimentos abaixo da inflação média nos primeiros anos da década.

Este ano, a alta de preços de tarifas, combustíveis e alimentos impõe um cenário bem mais desafiador. Essa composição atinge de forma mais direta trabalhadores com renda de até três salários mínimos. “Os grupos de renda média vão sofrer mais porque concentraram os maiores ganhos na última década e agora terão um maior efeito da alta da taxa de desemprego”, afirma o economista José Marciso Camargo, da PUC-Rio.

Desigualdade – A queda real na renda, corroída pela inflação, deverá afetar os ganhos sociais obtidos nos últimos anos. A economista do Instituto de Estudos do Trabalho (Iets) Sonia Rocha lembra que a alta da renda respondeu por 60% da redução da desigualdade do país entre 2003 e 2013. Agora, o cenário deverá mudar. “Havendo queda da renda do setor de serviços, que é o grande empregador de pessoas menos qualificadas, o impacto é certeiro sobre a pobreza e a desigualdade”, diz.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.