Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Reino Unido reaviva temores de recessão após contração do 4º tri

A economia britânica sofreu uma contração de 0,2% no último trimestre de 2011, uma queda maior que a esperada e que reaviva os temores de uma recessão, segundo dados oficiais publicados nesta quarta-feira pelo Escritório Nacional de Estatísticas (ONS).

Esta contração do Produto Interno Bruto (PIB), a primeira registrada pela economia britânica desde o quarto trimestre de 2010 (quando diminuiu 0,5%), foi amplamente atribuída a duas ondas de frio quase sucessivas que atingiram o Reino Unido.

Os analistas esperavam uma contração de apenas 0,1%, após o crescimento de 0,6% registrado no terceiro trimestre, considerado como um reajuste com relação ao período anterior.

Na comparação anual, o crescimento foi de 0,8%, disse a ONS em um comunicado divulgado em Londres.

A contração foi provocada essencialmente por quedas dos setores manufatureiro (-0,9%), da construção (-0,5%) e da produção de gás e eletricidade (-4,1%) devido a uma chegada tardia do inverno (boreal).

O novo dado reaviva os temores de recessão para uma economia britânica afetada pela crise na vizinha Eurozona e submetida a um drástico plano de ajuste pelo governo do primeiro-ministro David Cameron.

O país já sofreu uma profunda recessão de cinco trimestres, entre abril de 2009 e junho de 2006, segundo cifras revisadas ao final do ano passado.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu na terça-feira a previsão de crescimento para o Reino Unido em 2012 a 0,6%, contra 1,6% em sua estimativa anterior.

O ministro britânico das Finanças, George Osborne, considerou as cifras “decepcionantes”, mas afirmou que apesar das ameaças de recessão, o governo irá cumprir com as medidas de ajuste destinadas a eliminar um déficit excessivo para 2015.

“O Reino Unido possui dívidas importantes e se não a combatermos agora, nossos problemas econômicos ficarão muito piores”, disse ele à imprensa.

“Creio que temos o plano correto e devemos nos ater a ele”, disse. “Ao mesmo tempo, no entanto, temos que aceitar que os problemas econômicos do Reino Unido pioraram devido à situação na Eurozona, que tem a crise à beira da esquina”, completou o ministro.

O Reino Unido cresceu 0,9% entre janeiro e dezembro de 2011, conforme a última previsão anunciada pelo governo no final de novembro, mas isso supõe uma importante desaceleração com relação aos 2,1% de 2010. Para 2012, a previsão é de +0,7%.

Para os economistas, o Reino Unido, que também registra um desemprego sem precedentes em 17 anos, está prestes a entrar em uma segunda recessão, que é caracterizada por ao menos dois trimestres consecutivos de recuo do PIB. A primeira recessão sofrida pelo país durou 15 meses, entre 2008 e 2009, segundo dados revisados em 2011.

“Não podemos afirmar que a economia britânica está mesmo em recessão até que saiam os dados relativos ao primeiro trimestre de 2012, mas nossa aposta é de que o Reino Unido entrará de fato em recessão e que a economia continuará se contraindo durante a maior parte do ano”, disse Vicky Redwood, da Capital Economics.