Clique e assine a partir de 9,90/mês

Reforma do ICMS facilitará atração de investimento, diz Levy

Afirmação foi feita nesta sexta-feira durante reunião do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), instância máxima de deliberação do ICMS

Por Da Redação - 17 jul 2015, 12h47

No momento em que o governo tenta traçar novos rumos para a economia, os empresários hesitam na hora de investir, o que, para o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, é fruto da carga tributária e das incertezas em relação a incentivos fiscais. Esses obstáculos, segundo o ministro, poderiam ser reduzidos com a convergência da alíquota do ICMS. “Vemos reticência dos investimentos por várias razões. Uma delas é a carga tributária. O investimento se retrai”, avaliou Levy nesta sexta-feira, durante a abertura da 157ª reunião do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), no Rio. O órgão reúne os secretários de Fazenda dos Estados e é a instância máxima de deliberação do ICMS.

“O governo federal está se empenhando na convergência das alíquotas do ICMS, que vai facilitar investimentos e aumento da capacidade produtiva”, disse. O ministro tentou ao longo desta semana costurar um acordo para votar a reforma do tributo, mas não conseguiu evitar que o tema fosse adiado para o período pós-recesso no Congresso, no mês de agosto.

Segundo Levy, hoje a incerteza dos Estados reside principalmente na insegurança dos incentivos fiscais. “Eles foram importantes, mas hoje os Estados vivem num limbo, não alcançando plena legalidade”, afirmou o ministro. “Há tendência no Judiciário de dar tratamento bastante duro se não houver encaminhamento legal que permita regularização desses incentivos”, acrescentou.

Leia mais:

Continua após a publicidade

Senadores não entram em acordo para votar unificação do ICMS

Levy alerta que 2016 pode ser pior se ajustes não forem implementados

Meta fiscal deveria ser zero para ser factível, diz estudo da Câmara

Reunião – Depois do breve discurso na abertura da reunião do Confaz, Levy se reúne a portas fechadas com os secretários estaduais de Fazenda das 27 unidades da federação. A principal pauta do encontro é a reforma do ICMS, imposto que é a principal fonte de arrecadação dos Estados e um dos temas-chave da segunda fase do ajuste fiscal.

Continua após a publicidade

Embora não tenha conseguido nos últimos dias costurar um acordo para votar a reforma do tributo antes do recesso do Congresso, o ministro já tem o respaldo de diversos Estados na questão. Na quinta-feira, ele conseguiu o apoio público de 14 governadores. Onze deles enviaram cartas, e-mails e ofícios por escrito, entre eles Renan Calheiros Filho, governador de Alagoas e filho do presidente do Senado, Renan Calheiros.

Os governadores do Acre, Ceará, Bahia, Maranhão, Pará, Santa Catarina, Paraíba, Piauí, Alagoas, Pernambuco e Rio Grande do Norte oficializaram o apoio por escrito. Os governadores do Rio, Minas e São Paulo também sinalizaram apoio em declarações públicas e nas conversas com o ministro, segundo fontes da área econômica.

Depois da ofensiva, o único Estado do Nordeste que continua sem manifestar apoio é Sergipe. A prioridade agora é conseguir o apoio dos governadores do Centro-Oeste, que ainda não se manifestaram.

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade