Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Refinaria lançada há 18 meses por Lula ainda é terreno com mato

Não há sinais de obra em cerca de 2 mil hectares destinados à refinaria Premium 2, no Ceará, empreendimento da Petrobras

Por Da Redação 5 ago 2012, 07h46

Dezoito meses após o lançamento da pedra fundamental pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a refinaria cearense Premium 2, apontada como prioritária pela Petrobras, não passa de um enorme terreno abandonado, segundo reportagem do jornal O Estado de São Paulo. Os quase 2 mil hectares destinados ao empreendimento da petroleira não foram nem sequer cercados. Não há sinais de obra. O terreno está tomado por vegetação cerrada, cortada por trilhas e estradas esburacadas de movimento quase inexistente.

Embora a obra seja cara – ela foi orçada em 11,4 bilhões de dólares – e a Petrobras, em seu Plano de Negócios 2011-2016, tenha cortado 5 bilhões de reais dos gastos destinados ao refino, o principal entrave ao início da obra é fundiário. Índios da tribo Anacé reivindicam a área.

Sem autorização da Fundação Nacional do Índio (Funai), a Petrobras não pode começar a trabalhar no terreno, embora equipes terceirizadas que realizam levantamentos arqueológicos já estejam no local. O atraso no começo da construção da refinaria já soma três anos. Em agosto de 2008, os governos federal e cearense definiram que em 2009 o terreno começaria a ser desmatado e terraplenado.

Terreno – A administração Cid Gomes no governo do Ceará adquiriu por 126 milhões de reais a área de 1.940 hectares, que engloba trechos rurais dos municípios de São Gonçalo do Amarante (RN) e Caucaia (CE). O terreno integra o Complexo Industrial e Portuário do Pecém e fica a cerca de 10 quilômetro do porto, construído há dez anos para o apoio à produção da refinaria e da siderúrgica planejadas para o local desde a década de 90.

O questionamento indígena surgiu durante o processo de aquisição dos lotes do terreno. Embora nenhuma família Anacé more na área, o argumento apresentado à Petrobras e ao governo cearense é de que aquela região guarda resquícios de tradições indígenas, tendo, portanto, relevância histórica. A Funai ainda não se manifestou oficialmente sobre a polêmica, mas apoia a pretensão dos índios.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)