Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Redução de custo da energia sai na próxima semana

Expectativa é que o anúncio ocorra na terça-feira, 11; pacote prevê diminuição dos encargos setoriais que oneram a energia

A presidente Dilma Rousseff deve lançar na próxima terça-feira, 11, o pacote de medidas para reduzir o custo da energia elétrica. A data foi confirmada por fontes do governo. Duas datas possíveis estavam sendo analisadas para a divulgação da medida: na terça ou na quarta-feira da próxima semana. A diminuição do preço da energia ocorrerá por meio da redução dos encargos setoriais.

A presidente Dilma havia dito, na última quinta-feira, durante reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social (CDES), que as medidas para o setor elétrico seriam anunciadas nesta semana. A divulgação, no entanto, deve ficar mesmo para a próxima semana, conforme essa mesma fonte.

Na próxima quinta-feira (6), Dilma já deve falar sobre a redução no custo da energia em pronunciamento em rede de rádio e TV. Nessa fala, na véspera do dia 7 de setembro, data de comemoração da independência do Brasil, a presidente destacará o conjunto de ações promovidas pelo governo com o objetivo de garantir o crescimento do país.

Leia mais:

Pacote de energia será anunciado semana que vem

Fiesp contestará prorrogação de concessão de energia

Segundo a presidente, o pacote de medidas para reduzir o custo da energia elétrica se dará por meio da diminuição dos encargos setoriais que oneram a energia. “Essa redução de custo é a única forma que temos para enfrentar as décadas que virão”, afirmou. “Iremos fazer um conjunto de medidas para reduzir o custo da energia baseado na reversão das concessões depois de vencido o prazo”, disse.

Dilma disse que o Brasil precisa ter mais eficiência no que diz respeito à logística, energia e tributação para dar competitividade à economia. “Ninguém muda a estrutura tributária de um país de um dia para outro”, afirmou e disse o Brasil precisa de uma tributação mais “racional” para não impedir o investimento. “A questão do fim da guerra dos portos é algo fundamental”, acrescentou.

(Com Agência Estado)