Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Recuperação dos EUA está na reta final, diz Tesouro

Para Timothy Geithner, secretário do Tesouro americano, EUA estão mais avançados que outros países em equilibrar a dívida e a receita

Por Da Redação 18 jan 2013, 10h39

Em seus últimos dias à frente do Tesouro dos Estados Unidos, o secretário Timothy Geithner comparou a recuperação da economia americana a uma partida de basquete. Otimista, Geithner diz que a recuperação econômica está entrando na reta final, embora o desemprego permaneça alto. “Eu acredito na recuperação. Se fosse como no basquete, estaríamos começando o último quarto”, disse o secretário do Tesouro em entrevista ao Wall Street Journal.

Apesar do otimismo de Geithner, ele não espera milagres. O desemprego, por exemplo, caíra de maneira gradual. A falta de vagas continua a assombrar o país. Segundo o escritório oficial de estatística do Deparmento do Trabalho nos Estados Unidos, a taxa de desemprego fechou 2012 a 7,8%. Na segunda-feira, o presidente do Federal Reserve de Chicago, Charles Evans, estimou que a economia dos Estados Unidos deve crescer 2,5% este ano e 4,5% em 2014. Ele também previu que a taxa de desemprego ficará em 7,4% este ano, com queda para 7% em 2014.

Segundo o secretário, os EUA estão mais avançados que outros países em equilibrar a dívida e a receita, e em reduzir o risco de alavancagem no setor financeiro. A recuperação europeia, na opinião de Geithner, encontra-se em um estágio mais inicial. Ele reitera, porém, que o continente conseguiu um avanço importante que foi tirar o risco de um colapso catastrófico do mercado.

No último verão no continente europeu (inverno no Brasil), o Banco Central Europeu (BCE) se comprometeu a fazer tudo o que fosse necessário para proteger o euro e respaldou essa promessa com um programa de compra de títulos.

Geithner vai deixar o cargo no dia 25 de janeiro. O presidente Barack Obama nomeou o chefe da Casa Branca, Jack Lew, para sucedê-lo.

Leia também:

Nos EUA, bancos fecham acordos de U$18,5 bilhões

Com ‘abismo fiscal’ sanado, crise da dívida assombra EUA

(com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês