Clique e assine a partir de 8,90/mês

Recuperação da China está intacta, mas exportações pesam

Dados divulgados no final de semana reforçam a visão de que o crescimento na segunda maior economia do mundo está finalmente de recuperando

Por Da Redação - 10 dez 2012, 09h15

As exportações da China desaceleraram fortemente, crescendo bem abaixo do esperado para novembro, com alta de apenas 2,9%, destacando obstáculos a uma economia que tem mostrado sinais sólidos de recuperação da atividade doméstica.

Dados divulgados no final de semana mostraram que a produção industrial e as vendas no varejo subiram em novembro no ritmo mais rápido em oito meses, reforçando a visão de que o crescimento na segunda maior economia do mundo está finalmente de recuperando depois de uma longa desaceleração.

Enquanto a produção industrial subiu 10,1% em novembro ante o ano anterior (ritmo mais rápido desde março e acima das expectativas de crescimento de 9,8%), as vendas no varejo atingiram 14,9%, o mais forte desde março, enquanto o ritmo de investimento em ativos fixos, ou o gasto em áreas como pontes, fábricas e habitação, ficou estável em 20,7% nos primeiros 11 meses.

No entanto, exportações fracas irão pesar na recuperação da economia chinesa, à medida que seus principais compradores têm dificuldades: a Europa e o Japão em recessão e os Estados Unidos numa recuperação lenta. O crescimento anual das exportações da China ficou bem abaixo do aumento esperado de 9% e abaixo do ritmo de 11,6% registrado em outubro. A temporada de embarques do Natal de celulares inteligentes da maior exportadora do mundo de celulares chegou ao fim em novembro, o que analistas dizem poder explicar a desaceleração.

“O setor externo continua fraco, apesar de dados recentes da atividade industrial terem mostrado sinais convincentes de estabilização e recuperação gradual”, afirmou a economista do Forecast Pte, em Cingapura, Connie Tse. “Eu espero que o crescimento das exportações se recuperem durante 2013, mas isso deve ser gradual e volátil, na falta de melhora material na zona do euro.”

Continua após a publicidade

As importações ficaram estáveis na base anual, abaixo da expectativa de alta de 2%. A leitura relativamente fraca marcara um aumento nas importações de petróleo, minério de ferro e cobre, o que analistas dizem apoiar a visão de que a demanda doméstica está se recuperando.

Os dados comerciais representaram o desempenho mais fraco para as exportações e importações desde agosto, e contrastam-se com dados sobre a economia doméstica, que têm aumentado expectativas de que os sete trimestres consecutivos de desaceleração do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) chegarão ao fim no quarto trimestre.

“A desaceleração das exportações mostra que a demanda externa enfrenta incertezas devido a preocupações com o ‘abismo fiscal’ nos Estados Unidos”, afirmou o economista-chefe para a China do Nomura, em Hong Kong, Zhang Zhiwei.

“No entanto, isso não muda nossa visão de que o crescimento está a caminho de uma recuperação forte no quarto trimestre, uma vez que (o crescimento) é na maior parte guiado domesticamente.”

(com agência Reuters)

Continua após a publicidade
Publicidade