Clique e assine a partir de 9,90/mês

Quer pagar a conta, mas esqueceu a carteira? É só usar o pulso

Relógios e pulseiras agora permitem o pagamento de contas no Brasil por meio da simples aproximação do terminal de pagamento; celular também faz o serviço

Por Marcelo Sakate - Atualizado em 21 Nov 2016, 09h14 - Publicado em 21 Nov 2016, 08h43

No Brasil, o dinheiro ainda é o meio mais utilizado para pagamentos, mas os consumidores ganham cada vez novas formas de realizar as suas compras, graças ao desenvolvimento de novos produtos e serviços. No ano passado, pela primeira vez, os brasileiros pagaram contas mais vezes pelo celular do que nas agências bancárias. Foram 10,8 milhões de transações via dispositivos móveis, contra 8,3 milhões de operações presencialmente.

E o país, como um dos maiores mercados do mundo, é um daqueles nos quais as empresas querem testar as tendências. Os “wearables”, como são chamados em inglês os acessórios que as pessoas vestem e que possuem diferentes utilidades, representam uma das novas fronteiras para os pagamentos do dia a dia e chegam ao Brasil já em escala comercial.

Uma das novidades é um relógio em parceria da marca suíça Swatch com a americana Visa, conhecida por seus cartões de crédito e débito. O Swatch Bellamy foi lançado na China e na Suíça no início do ano e chegou ao mercado brasileiro em julho, às vésperas da Olimpíada do Rio. Nesta semana, a Visa lança em parceria com a empresa Brasil Pré-Pagos uma pulseira de silicone plástico que também permite o pagamento sem a necessidade de contato. Nos dois casos, basta aproximar o acessório de terminais habilitados a usar essa tecnologia (identificados com o famoso ícone das três ondas) para que o pagamento seja efetuado. No Brasil, 2,8 milhões de estabelecimentos comerciais já estão aptos a operar com essa tecnologia, de acordo com a Visa.

Leia também
Lentamente, setores industriais retomam contratações
Banco do Brasil anuncia plano de fechar 402 agências
Xangai ganha seu primeiro hotel sete estrelas; conheça

Tanto o relógio como a pulseira funcionam como cartões de débito pré-pagos, ou seja, não permitem gastos ilimitados. Por razões de segurança, para compras acima de 50 reais é necessário o uso de senha. E é possível bloqueá-los em caso de perda ou roubo. O usuário pode consultar os valores debitados de cada compra e o saldo via aplicativo no celular ou tablet ou no site da empresa. O relógio da Swatch custa 550 reais e é encontrado nas lojas da marca no Brasil; a pulseira custa 99,90 reais e poderá ser adquirida a partir desta semana no site da Brasil Pré-Pagos. Na Olimpíada, a Visa testou um anel que também fazia pagamento – mas ele ainda não foi lançado para o público. Pessoas que tenham ido praticar esportes (como correr no parque ou nas ruas) ou tenham preferido deixar a carteira ou os cartões em casa estão entre os usuários alvos.

Continua após a publicidade

Outra modalidade de pagamento presencial sem contato (contactless, em inglês) que chegou ao Brasil recentemente – em julho – é o serviço via celular. A sul-coreana Samsung lançou o seu Samsung Pay para alguns modelos com essa tecnologia (no exterior, estava disponível há pouco mais de um ano): basta cadastrar os cartões das bandeiras Mastercard ou Visa no celular e autorizar o pagamento com o uso da impressão digital ou de uma senha e aproximando em seguida o celular do terminal da loja. A maior parte das lojas que aceitam cartões de débito e crédito estão habilitados a receber. A Apple e o Google lançaram serviços semelhantes no exterior (o Apple Pay e o Android Pay, respectivamente) que devem chegar ao Brasil nos próximos meses.

Publicidade