Clique e assine a partir de 8,90/mês

Quatro em cada dez brasileiros vivem acima do seu padrão financeiro

Pesquisa do SPC inclui pessoas que não conseguem poupar nada no fim do mês ou que ficaram no vermelho para sustentar um estilo de vida que não condize com sua renda

Por Da Redação - 17 set 2015, 20h35

Mesmo em tempos de aperto e de juros altos, o brasileiro continua gastando mais do que pode. Segundo estudo divulgado nesta quinta-feira pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), 40% dos brasileiros vivem acima do padrão de vida financeiro adequado à sua realidade.

Entram nessa lista os que fecharam as contas nos últimos seis meses sem nenhuma sobra de dinheiro ou os que já estão no vermelho, explicou o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior, em nota. A pesquisa, que foi realizada entre os dias 3 e 6 de agosto pela internet, reuniu o depoimento de 623 pessoas com renda superior a dois salários mínimos.

O estudo também buscou traçar um perfil do brasileiro que acaba o mês sem conseguir economizar um tostão: cerca de 60% são mulheres, 49% são casados, 46% pertencem à classe C, e 33% têm entre 25 e 34 anos.

Quase todos os entrevistados (92%) relataram enfrentar mais dificuldades para melhorar o seu padrão de vida no momento atual, porque “está tudo mais caro”. Entre os motivos apontados, estão a queda na renda (36%), despesas com filhos e outras que não podem abrem mão (28%), e a insegurança com a estabilidade do emprego (26%). “Boa parte das causas citadas pelos entrevistados podem ser atribuídas à crise econômica que estamos passando”, diz o economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

Os principais gastos que extrapolam o orçamento citados pelos entrevistados são as compras de supermercado (59%), gastos com refeições para receber amigos e parentes em casa (50%), roupas e calçados (49%) e bares e restaurantes (43%).

Leia também:

Na crise, brasileiro corta salgadinho e compra menos cerveja

Brasileiro não perde o humor e ironiza a crise com memes

Continua após a publicidade
Publicidade