Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Quase 10% das vagas abertas no Brasil são de trabalho intermitente

50.009 dos 529.554 novos empregos criados em 2018 foram pelo novo contrato, em que o trabalhador só recebe quando é convocado pelo patrão para o trabalho

Por Larissa Quintino
Atualizado em 23 jan 2019, 12h46 - Publicado em 23 jan 2019, 11h32

O trabalho intermitente, que permite que a empresa contrate o funcionário apenas pelo tempo em que precisa dele, teve saldo de 50.009 postos de trabalho em 2018, segundo o Cadastro Nacional de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado nesta quarta-feira, 23. O saldo equivale a 9,4% das vagas  criadas no ano passado, quando foram abertos 529.554 novos postos com carteira assinada. 

O contrato intermitente é uma das novidades da reforma trabalhista, que foi implantada em novembro de 2017. Nessa modalidade, o trabalhador recebe por hora trabalhada assim que for convocado pelo empregador. Ou seja, no fim do mês pode ganhar menos de um salário-mínimo ou mesmo não receber nada por não ter sido convocado para o trabalho.

Segundo Mário Magalhães, diretor de Emprego e Renda do Ministério da Economia, apesar do Caged não conseguir medir o quanto dos contatos intermitentes estão efetivamente estão gerando renda, o dado revela que as empresas estão lançando mão da nova modalidade trabalhista para compor seus quadros de funcionários. “As empresas não contratam apenas por contratar, elas tem intenção de utilizar a mão de obra”, afirmou.

Do saldo de empregos do ano, 21.859 postos foram criados pelo setor de Serviços, equivalente a 43,7% do total. 12.272 vagas foram abertas pelo Comércio, 8.393 pela Construção Civil e 6.434 pela postos na Indústria de Transformação.

Continua após a publicidade

O secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, disse que trabalhadores com contratos intermitentes, temporários e aqueles que trabalham com aplicativos precisam “ser apoiados” com mudanças nas regras trabalhistas. “O modelo tradicional de carteira assinada é importante, mas temos que apoiar esse grande segmento de trabalhadores que estão em novas modalidades, inclusive na questão dos aplicativos”.

Segundo Marinho, o governo Bolsonaro quer retirar a tutela do Estado na relação entre empregadores e trabalhadores, ampliando a reforma trabalhista, mas não detalhou as medidas. 

“Esta administração vai acentuar as conquistas estabelecidas com a reforma trabalhista. Acreditamos que há uma necessidade de retirarmos ainda mais a tutela do estado na relação entre o público e o privado, entre os empregadores e empregados, facilitar a vida daqueles que querem empreender no Brasil, desburocratizar, permitir que um número maior trabalhador saia da informalidade”, disse.

Por ser regido pela CLT, o trabalhador com contrato intermitente tem direitos trabalhistas garantidos por lei, entre eles carteira assinada: férias, 13º salário, recolhimento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e contribuição para o Instituto Social do Seguro Social (INSS). O cálculo é feito de acordo com as remunerações recebidas durante o ano.

Continua após a publicidade

As regras para o trabalho intermitente haviam sido disciplinadas em uma medida provisória durante o governo do ex-presidente Michel Temer, e como o texto não foi votado pelo Congresso Nacional, a MP caducou. Há dúvidas se o trabalhador que ganha menos que um salário-mínimo, precisa pagar ao INSS o complemento da contribuição para que ele tenha direito aos benefícios do instituto. Questionado, o Ministério da Economia não se posicionou até a publicação.

Comum acordo

Outra novidade da reforma trabalhista, a demissão por comum acordo, foi realizada 163.777 vezes no ano passado. Nesse tipo de desligamento, o empregado abre mão de metade do valor de seu aviso-prévio, recebe metade da multa do FGTS e pode movimentar 80% do seu saldo do Fundo de Garantia.

O contrato parcial, outro ponto modificado pela reforma, gerou saldo de 21.374 vagas de emprego no ano. O contrato parcial já existia na CLT, mas teve as regras alteradas. Atualmente, a jornada permitida é de 26 horas de trabalho, podendo fazer mais seis horas extras ou 30 horas semanais. Antes da reforma, a jornada permitida era de 25 horas semanais.

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.