Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Próximo passo poderá ser a retirada do IOF sobre o compulsório

Cortes anteriores no IOF não surtiram efeito, aponta analista. Dólar mantém sua trajetória de alta

Por Talita Fernandes
12 jun 2013, 20h34

A retirada do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 1% das aplicações em derivativos cambiais anunciada pelo ministro Guido Mantega na noite desta quarta-feira poderá não surtir efeito sozinha. Segundo o analista Pedro Galdi, da corretora SLW, uma nova desoneração poderá estar a caminho. “A Fazenda pode retirar, por exemplo, o IOF sobre o depósito compulsório para evitar que os bancos fiquem especulando com a variação cambial”, afirma.

O compulsório é um recolhimento que obriga os bancos a depositar parte dos recursos captados dos clientes numa conta do Banco Central. Parte do dinheiro do compulsório pode ser aplicado em dólar. Em 2011, quando o real estava valorizado, o BC criou uma uma trava para reduzir a posição de câmbio “vendida” dos bancos – ou seja, aquelas que apostavam na queda da moeda americana.

Assim, a autoridade monetária, em sintonia com a Fazenda, determinou que os bancos recolhessem ao BC, sob a forma de depósito compulsório, 60% sobre o valor da posição de câmbio vendida que excedesse o menor dos seguintes valores: 3 bilhões de dólares ou o patrimônio de referência (PR) de cada instituição. O objetivo, à época, era avitar as apostas na queda da moeda. Agora, o cenário se inverte. “O governo está usando uma medida atrás da outra porque a situação está piorando. O Fed nem começou a reduzir (os estímulos), mas já assustou os mercados”, afirma Galdi.

Segundo o analista, a retirada do IOF sobre investimentos de renda fixa, anunciada na semana passada, não teve qualquer efeito sobre a cotação do dólar. Tanto que a moeda americana fechou nesta quarta em seu maior valor em quatro anos. “A pressão cambial está em todo o mundo. O Fed jogou muito dólar no mercado com os seus estímulos, mas o temor de que os EUA retirem os estímulos cria uma situação psicológica”, diz.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.