Clique e assine com até 92% de desconto

Projeção de expansão da indústria cai e mercado prevê PIB menor em 2018

De acordo com o relatório Focus, a previsão é que o dólar feche o ano a R$ 3,37; perspectivas para a inflação ficaram inalteradas

Por Reuters Atualizado em 7 Maio 2018, 14h28 - Publicado em 7 Maio 2018, 09h19

A perspectiva de crescimento da economia brasileira neste ano foi reduzida na pesquisa Focus, do Banco Central, divulgada nesta segunda-feira, sob forte pressão da produção industrial, enquanto a expectativa para o dólar voltou a subir.

Diante de recorrentes sinais de dificuldades da economia em imprimir um ritmo sustentado de crescimento, os economistas consultados no levantamento reduziram a conta para o crescimento do produto interno bruto (PIB) em 2018 para 2,70%, em vez dos 2,75% anteriores.

A importante pressão vem da produção industrial, cuja expectativa de expansão passou a 3,81%, de 4,28%. O ajuste vem depois de o setor ter terminado o primeiro trimestre estagnado, com queda inesperada na produção em março.

Para 2019, permanecem as expectativas de crescimento de 3% do PIB e de 3,5% da produção industrial.

  • Outra revisão que os economistas promoveram no levantamento foi da taxa de câmbio: a expectativa é que o dólar feche a 3,37 reais no fim deste ano, em vez de 3,35 reais. Na semana passada, a moeda americana acumulou ganho de 1,79%, na segunda semana seguida de alta em um rali recente que levou a moeda a alcançar o patamar de 3,50 reais.

    As contas para a inflação permaneceram inalteradas em 3,49%, para este ano, e em 4,03% para 2019. Já o cenário para a política monetária permanece o mesmo, com corte esperado de 0,25 ponto porcentual na Selic na reunião deste mês do Banco Central.

    Com a atual taxa básica de juros a 6,5%, os especialistas consultados no levantamento continuam vendo que ela terminará 2018 a 6,25%, e em 2019, a 8%.

    O Top-5, grupo dos que mais acertam as previsões, também segue sem alterar sua previsão: de Selic a 6,25% e 7,5%, respectivamente em 2018 e 2019.

    Continua após a publicidade
    Publicidade