Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Progresso do IDH ocorre à custa do aquecimento global

De acordo com o Relatório de Desenvolvimento Humano 2011, países com melhoria mais rápida do IDH também passam por um aumento mais célere das emissões de dióxido de carbono

Nas próximas décadas, a degradação ambiental pode botar a perder parte das conquistas dos últimos quarenta anos no terreno do desenvolvimento

O Relatório de Desenvolvimento Humano do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) referente a 2011, divulgado nesta quarta-feira em Copenhague, traz uma seção especial sobre os desafios que a melhoria dos indicadores de renda, educação e saúde no mundo impõem para o controle da degradação ambiental. O estudo – que se debruçou sobre um conjunto de quatorze indicadores para fazer sua análise, entre os quais o índice de desempenho ambiental – conclui que o progresso recente no Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) tem sido obtido à custa do aquecimento global.

Leia também:

Leia também: Brasil sobe uma posição no ranking do IDH e fica em 84º

Tabelas: “Brasil é apenas mediano em sustentabilidade” e “Quase um terço das pessoas não sabe das mudanças no clima”

IDH e CO2 – A pesquisa identificou que, quando o rendimento médio de uma nação cresce, também aumentam as emissões de dióxido de carbono (CO2) – o gás carbônico, principal poluente do chamado efeito estufa. A renda é reflexo do vigor da economia, que, por sua vez, é traduzida pela aceleração das atividades de produção e distribuição de bens. Com um uso mais intensivo de energia e maior circulação de veículos, é natural que ocorra expansão das emissões deste poluente na atmosfera.

O relatório não identificou relação entre a evolução dos índices de saúde e educação com o dióxido de carbono. Já o crescimento do IDH – como é uma média ponderada destas três variáveis – revelou que tem como contrapartida a ampliação da poluição atmosférica. Esta correspondência não é muito clara entre os países de IDH baixo, mas acelera-se rapidamente a partir de um determinado patamar (que o Pnud denomina ponto de virada). A partir disso, a instituição conclui que mais importante que o impacto em si do desenvolvimento sobre a degradação ambiental é a velocidade em que este acontece. Em outras palavras, os países com melhoria do IDH mais rápida também passam por um aumento mais célere das emissões de CO2 per capita. O Pnud acrescenta que, diante desta constatação, o melhor guia para saber o que esperar do desenvolvimento atual é olhar para as mudanças ao longo do tempo.

Outras ameaças ambientais – A forma com que as emissões de gás carbônico relacionam-se com a renda e o IDH não é a mesma verificada para outros indicadores de meio ambiente. Em resumo, há ameaças ambientais que aumentam com o desenvolvimento e outras não. Outra correlação positiva, segunda a pesquisa, foi encontrada apenas na devastação das florestas.

O relatório do Pnud chama a atenção ainda para um estudo de Barry B. Hughes e Randall Kuhn que mostra que as curvas entre o IDH e a poluição urbana e da água, bem como o acesso a saneamento, são em U invertido. Isso que significa que, à medida que o desenvolvimento aumenta, a degradação ambiental medida por esses itens piora gradativamente. Contudo, chega um momento em que a alta do IDH tem como contrapartida a melhoria destes desses indicadores. A explicação é intuitiva: os governos passam, à medida que os países enriquecem, a ser pressionados por suas populações a oferecerem ambientes mais limpos e saudáveis.

Desigualdade é má – Apelando a métodos que a pesquisa classifica como “quase experimentais”, foram identificadas algumas relações entre desigualdade e problemas ambientais. Um exemplo é a descoberta de que níveis mais elevados de desigualdade de gênero apontam para patamares mais baixos de sustentabilidade. Da mesma forma, o desmatamento e a poluição levam a piores índices de IDH – o que fica mais fácil entender quando se sabe, por exemplo, que metade da subnutrição mundial é atribuível a fatores ambientais. Diante dessas evidências, o estudo conclui que “a desigual é má, não só intrinsicamente, mas também para o meio ambiente”.

Alerta para o futuro – O Relatório de Desenvolvimento 2011 faz também um alerta para as próximas décadas: a degradação ambiental pode botar a perder parcela das conquistas no terreno do desenvolvimento. O Pnud lembra que os últimos 40 anos (1970-2010) fizeram com que os países listados entre os 25% inferiores na classificação do IDH melhorassem seu desempenho em 82%, o dobro da média global. Se este fenômeno se repetisse até 2050, a maioria dos países alcançaria níveis de IDH semelhantes ou superiores aos daqueles que estão no top do ranking hoje. A proeza, contudo, dificilmente será repetida porque a escalada dos riscos ambientais tende a interrompê-la. Para medir os riscos futuros, a pesquisa traça algumas hipóteses. Tomando por base àquela que chama de cenário de “desafio ambiental” – que capta os efeitos adversos do aquecimento global na produção agrícola, no acesso a água potável, no saneamento e na poluição -, o IDH global será 8% menor. Se a conjuntura for de “catástrofe ambiental” – desmatamento descontrolado, degradação do solo, reduções dramáticas da biodiversidade e aceleração dos fenômenos climáticos extremos -, este índice será 15% inferior. Em ambos os casos, as pessoas dos países mais pobres correm maior risco.

Quase um terço das pessoas não sabe das mudanças no clima

Grupo de países

Consciência das

alterações

climáticas

As alterações

climáticas são uma

ameaça grave

A atividade humana

causa alterações

climáticas

Regiões
Estados Árabes 42,1 28,7 30,3
Ásia Oriental e Pacífico 62,6 27,7 48,3
Europa e Ásia Central 77,7 48,2 55,0
América Latina e Caribe 76,5 72,7 64,8
Sul da Ásia 38,0 31,3 26,9
África Subsariana 43,4 35,5 30,6