Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Produtores de etanol esperam receber incentivos do governo

Aumento da mistura do biocombustível à gasolina exigirá investimentos em melhorias na produção de cana-de-açúcar

Por Da Redação 18 jan 2013, 07h03

O governo pode anunciar mais incentivos para o setor de etanol em breve, como parte da estratégia de incentivar a atividade e, ao mesmo tempo, mitigar parte dos impactos do aumento no preço da gasolina na inflação, disse uma fonte próxima da equipe econômica à Reuters.

A expectativa do setor sucroalcooleiro é que o governo eleve a mistura de etanol na gasolina dos atuais 20% para 25%. A diretora-geral Agência Nacional do Petróleo (ANP), Magda Chambriard, confirmou nessa quinta-feira que o governo deve elevar a mistura a partir de abril.

Expectativas iniciais apontam moagem de até 600 milhões de toneladas na safra 2013/14, que se inicia em abril.

A estimativa mais recente da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica) aponta moagem de 518 milhões de toneladas na atual temporada.

O aumento da mistura do etanol também levaria a uma redução das importações de gasolina, atualmente, um dos fatores que mais pesam sobre o custo operacional da Petrobras.

Leia também:

Governo quer estimular produção de etanol

Governo vai aumentar preço da gasolina em 7%, mas tenta amenizar impacto

O governo vem preparando um novo reajuste no preço dos combustíveis que, no caso da gasolina, deve ficar em torno de 7%.

Continua após a publicidade

No ano passado, o governo zerou a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) para compensar a alta dos combustíveis.

Como ele já não tem espaço para impedir o repasse desse aumento para o consumidor final, o governo busca agora outras alternativas para, pelo menos, minimizar esse movimento.

A inflação ainda tem mostrado sinais de robustez, ao mesmo tempo em que a economia não deslanchou, o que pode colocar em risco a condução da política monetária do Banco Central. O mercado prevê que o IPCA registrará alta de 5,53% em 2013 e de 5,50% em 2014, depois de ter encerrado o ano passado a 5,84%, pressionado por alimentos e despesas pessoais, indicando que os preços continuavam acelerando.

(Com agência Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês