Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Produção industrial desacelera na China com alta das commodities

Crescimento anualizado das vendas do varejo chinês foi metade do mês anterior; indicadores, no entanto, não devem afetar exportações brasileiras

Por Luisa Purchio Atualizado em 18 Maio 2021, 01h30 - Publicado em 17 Maio 2021, 11h52

Dados divulgados na manhã desta segunda-feira, 17, apontam que o ritmo de crescimento da indústria da China e das vendas do varejo desaceleraram em abril em relação ao que ocorreu no mês anterior.

De acordo com a Agência Nacional de Estatística da China, o crescimento da produção industrial no mês foi de 9,8% ante o mesmo mês do ano anterior. Apesar de vir em linha com a previsão dos analistas da Bloomberg, os dados são muito aquém do mês de março, quando o crescimento foi de 14,1% em relação ao ano anterior.

O setor de vendas do varejo é crucial para medir a temperatura do consumo no país e cresceu apenas 17,7%, muito inferior à projeção dos analistas, de 24,9%, e abaixo dos números de março, quando a alta foi de 34,2% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Esta diminuição se somou às preocupações com os novos casos de Covid-19 em países asiáticos. No Japão, três novas cidades decretaram estado de emergência.

Entre os fatores que mais pesaram na indústria do país está a pressão sobre os preços das commodities. “Para as empresas como um todo, os aumentos de preços são propícios para a melhora da eficiência corporativa, mas é preciso prestar atenção à pressão sobre as indústrias de distribuição”, disse Fu Linghui, porta-voz da agência.

Os exportadores brasileiros, porém, não têm com o que se preocupar, uma vez que as importações e exportações de mercadoria aceleraram. “Como os dados da produção industrial vieram dentro do esperado, tivemos uma recuperação dos preços do minério de ferro, impulsionando as empresas que estão liderando até o momento as principais altas da bolsa brasileira”, diz Lucas Carvalho, analista da Toro Investimentos. Na manhã desta segunda-feira, às 11h30, os papeis da Vale cresciam 2,21%, enquanto Usiminas subia 2,81% e Gerdau, 2,84%.

Bolsas

Com os resultados da economia da China, as principais bolsas chinesas encerraram o pregão deste início de semana em leve alta, com o índice Xangai Composto em 0,75% e o Shenzen Composto em 1,15%, porém os dados apresentados preocuparam os investidores. No Japão, o Nikkei 225 encerrou em queda de 0,9%. Já a ilha de Taiwan teve a maior alta de casos desde o início da pandemia e teve de fechar estabelecimentos, o que levou o índice Taiwan Taiex a encerrar o pregão em baixa de 3%.

  •  

    Continua após a publicidade
    Publicidade