Clique e assine com até 92% de desconto

Produção industrial cresceu em 9 de 14 regiões em maio

Segundo o IBGE, Minas Gerais (2,8%), Bahia (2,5%) e Pernambuco (2,3%) foram destaques positivos

Por Da Redação 7 jun 2013, 12h56

A produção industrial avançou em nove dos 14 locais pesquisados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na passagem de março para abril. Os destaques foram Minas Gerais (2,8%), Bahia (2,5%) e Pernambuco (2,3%).

A Região Nordeste (1,2%), São Paulo (1,0%), Espírito Santo (0,7%), Santa Catarina (0,2%), Rio Grande do Sul (0,2%) e Paraná (0,1%) completaram o conjunto de locais com taxas positivas, porém, menos intensas do que a média nacional (1,8%). O Ceará ficou estável pelo segundo mês consecutivo. Em sentido oposto, apresentaram taxas negativas o Pará (-1,4%), Goiás (-1,2%), Rio de Janeiro (-0,4%) e Amazonas (-0,4%).

Leia mais:

IPI menor faz crescer produção industrial, segundo IBGE

CNI: capacidade da indústria fica estável e carga tributária atrapalha

A produção industrial acelerou 8,4% em abril ante o mesmo período de 2012 e avançou 1,8% frente a março, conforme o próprio IBGE divulgou na terça-feira. Na relação anual, esta foi a maior alta desde agosto de 2010, quando o indicador subira 8,6%. Com isso, a produção da indústria, um dos setores que tem mais afetado negativamente o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro nos últimos trimestres, acumulou alta de 1,6% do primeiro quadrimestre do ano, revertendo a queda de 1,1% assinalada nos quatro últimos meses do ano passado. Em março, o indicador havia caído 3,3% em relação ao mesmo mês de 2012, mas subido 0,7% ante fevereiro. Em fevereiro, por sua vez, havia apresentado a maior queda mensal desde dezembro de 2008, quando estourou a crise mundial.

Na comparação com abril de 2012, 12 dos 14 locais pesquisados apresentaram expansão na produção industrial, o que foi classificado como “perfil disseminado de resultados positivos”. Os destaque foram a Bahia (13,5%), o Rio Grande do Sul (11,2%) e São Paulo (10,7%). Os dois únicos resultados negativos foram registrados no Pará (-16,2%) e Espírito Santo (-8,0%).

(com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade