Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Produção industrial cresce pela nona vez seguida, mas ritmo desacelera

Alta menor, assinalada pelo IBGE, já era esperada por especialistas; desempenho foi puxado pela queda de bens intermediários, como metalurgia

Por Larissa Quintino Atualizado em 5 mar 2021, 21h39 - Publicado em 5 mar 2021, 10h03

Desde o choque do fechamento das atividades em abril passado, a indústria brasileira vem se recuperando. No início do ano, apresentou nova taxa de crescimento, a nona consecutiva. Segundo dados divulgados pelo IBGE nesta sexta-feira, 5, a produção industrial cresceu 0,4% em janeiro, em linha com o esperado pelo mercado financeiro. Apesar de continuar o ciclo de alta, os dados mostram desaceleração. Em dezembro, a alta foi de 0,9%. Em relação a janeiro do ano passado, quando o novo coronavírus ainda não tinha chegado ao Brasil, o setor cresceu 2% em janeiro de 2021.

“Observamos a manutenção do comportamento positivo do setor industrial, mas com desaceleração no seu ritmo no mês de janeiro. Em abril do ano passado, a diferença para o patamar recorde era de -38,8%. Agora estamos mais perto (-12,9%), mas ainda com uma perda de dois dígitos. Porém, também chama atenção neste mês a quantidade de ramos que ficaram no campo negativo, que foram maioria (14 de 26), um comportamento que não foi observado nos meses anteriores dessa sequência de nove meses de crescimento”, avalia o gerente da Pesquisa Mensal Industrrial, André Macedo.

Já, entre as grandes categorias econômicas, os bens de capital assinalaram a taxa positiva mais acentuada em janeiro de 2021 (4,5%), registrando o nono mês seguido de expansão na produção e acumulando nesse período avanço de 148,4%. E o setor produtor de bens de consumo semi e não duráveis (2,0%) também registrou crescimento acima da média da indústria (0,4%), eliminando, assim, o resultado negativo assinalado em dezembro de 2020 (-0,4%).

Por outro lado, os segmentos de bens intermediários (-1,3%) e de bens de consumo duráveis (-0,7%) tiveram taxas negativas no mês. Os bens intermediários, que são aqueles produtos que abastecem a produção final (como, por exemplo, metalurgia e derivados de petróleo), registraram a perda mais acentuada desde abril de 2020, revertendo assim a expansão de 1,4% observada em dezembro. Já os bens de consumo duráveis tiveram a interrupção de oito meses de taxas positivas consecutivas, período em que acumulou avanço de 552,2%.

Com a aceleração da contaminação do coronavírus e novas medidas restritivas tomadas por estados e municípios para tentar evitar o colapso dos sistemas de saúde, o setor já se mostra preocupado com um novo ano de perdas, como foi registrado em 2020. Apesar dos meses seguidos de recuperação, a queda acentuada entre o primeiro e segundo semestre refletiu no resultado. O PIB indicou recuo de 3,5% do setor em 2020.

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)