Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Produção industrial cresce 13,1% em junho, após queda em maio

Aumento foi o maior da série histórica iniciada em 2002, segundo IBGE

Por Patrícia Basilio Atualizado em 2 ago 2018, 11h11 - Publicado em 2 ago 2018, 10h04

A produção industrial avançou 13,1% em junho em relação a maio, na série com ajuste sazonal, eliminando as perdas de 11,0% provocadas pela greve dos caminhoneiros. A alta foi a maior da série histórica iniciada em 2002, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (2) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Em relação a junho de 2017, a indústria cresceu 3,5%. No acumulado em 12 meses, a alta é de 3,2%, ante 3% no total de 12 meses até maio, indicando que o setor está em caminho de recuperação.

O ritmo, contudo, está abaixo do registrado nos 12 meses encerrados em abril, quando o segmento teve avanço de 3,9%.

Segundo o IBGE, os índices foram positivos tanto para o fechamento do segundo trimestre de 2018 — quando a alta foi de 1,7% –, como para o acumulado do ano, período em que o indicador atingiu 2,3%. 

De acordo com André Macedo, gerente da pesquisa, junho foi um mês de recuperação das perdas de maio (marcado pela greve dos caminhoneiros) e das acumuladas no ano. “Tivemos um bom resultado, mas ainda há um importante passivo a ser restaurado. Ainda estamos 13,7% abaixo de nosso maior patamar, atingido em maio de 2011”, explica ele.

Continua após a publicidade

Diferença por Categoria

O avanço da produção industrial de maio para junho reflete o crescimento de 22 das 26 categorias pesquisadas pela IBGE. As principais influências positivas vieram de veículos automotores, reboques e carrocerias (47,1%) e produtos alimentícios (19,4%).

Também contribuíram para a recuperação da indústria os segmentos de bebidas (33,6%), celulose, papel e produtos de papel (17,9%), produtos de metal (11,1%), móveis (28,5%), perfumaria, sabões, produtos de limpeza e de higiene pessoal (19,0%),  confecção de artigos do vestuário e acessórios (13,5%), equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (7,1%), entre outros.

“A recuperação do setor de automóveis é importante porque tem correlação direta com outros segmentos, como borracha e plástico e materiais elétricos. O setor de consumo duráveis, por exemplo, teve grande avanço devido ao segmento automobilístico”, afirma o gerente da pesquisa.

Continua após a publicidade

Por outro lado, a atividade que mais registrou queda na produção foi equipamentos de transporte (-10,7%), com a segunda taxa negativa consecutiva. Segundo o IBGE, os resquícios da greve dos caminhoneiros e as férias coletivas em montadoras justificam o resultado.

Variação Semestral

No acumulado do semestre de 2018, em relação a igual período do ano passado, a indústria cresceu 2,3%, com resultados positivos nas quatro grandes categorias econômicas: 45 dos 79 grupos e 49,6% dos 805 produtos pesquisados.

Continua após a publicidade

A atividade que exerceu a maior influência positiva foi veículos automotores, reboques e carrocerias (18,3%). Outras contribuições positivas vieram de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos (18,2%), metalurgia (5,8%) e máquinas e equipamentos (4,3%).

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.