Clique e assine com até 92% de desconto

Produção industrial brasileira retrocede 3,8% no 1º semestre

Por Da Redação 1 ago 2012, 13h31

Rio de Janeiro, 1 ago (EFE).- A produção industrial brasileira reduziu 3,8% no primeiro semestre do ano frente ao mesmo período de 2011, apesar de em junho ter voltado a crescer após três meses de retrocesso.

Com o mau desempenho do primeiro semestre, a produção das fábricas acumulou nos 12 meses terminados em junho uma baixa de 2,3% em relação ao período anterior, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

Os números confirmam a trajetória descendente do setor industrial, que começou em outubro de 2010, mês em que o crescimento acumulado em 12 meses era de 11,8%.

A indústria foi o setor mais prejudicado pela crise econômica internacional, que fez reduzir a demanda por produtos do país no exterior e dificultou o acesso de crédito das fontes externas.

Apesar dos resultados negativos do primeiro semestre, o IBGE divulgou que a produção industrial cresceu 0,2% em junho em comparação com maio.

A ligeira recuperação registrada em junho após três meses negativos é o primeiro reflexo das medidas anunciadas pelo governo desde o final do ano passado para incentivar os setores industriais mais afetados pela crise, como o automotivo e de eletrodomésticos.

Continua após a publicidade

A produção industrial em junho, no entanto, foi 5,5% inferior à do mesmo mês de 2011, com o que registrou o 10º resultado negativo nessa comparação.

No segundo trimestre do ano a atividade industrial reduziu 4,5% em comparação com o mesmo período de 2011 e 1,1% frente ao primeiro trimestre de 2012.

Segundo o IBGE, a produção de 17 dos 27 setores analisados caiu no primeiro semestre, assim como a de 43 dos 76 subsetores e 58% dos produtos estudados.

O setor mais afetado pela diminuição da produção no primeiro semestre foi o de veículos automotores, com uma queda de 18%.

Igualmente registraram grandes retrocessos os setores de material eletrônico e de comunicações (-17,1%), metalurgia (-4,8%), equipamentos elétricos (-4,8 %), alimentos (-2,5%), farmacêutico (-4,1%) e vestuário (-13,1%).

Entre os setores com aumentos da produção no semestre destacam-se o de produtos químicos (3,8 %), refino de petróleo e produção de etanol (3,6%) e equipamentos de transporte (7%). EFE

Continua após a publicidade
Publicidade