Clique e assine a partir de 9,90/mês

Procura por auxílios do governo gera filas fora das agências bancárias

Medidas dos bancos para conter aglomerações diminuem número de pessoas dentro das agências, mas não na rua

Por Machado da Costa - Atualizado em 14 abr 2020, 19h21 - Publicado em 14 abr 2020, 18h25

Em meio à pandemia do novo coronavírus, os bancos passaram a adotar algumas restrições em suas agências. Na última semana de março, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) definiu os novos horários de operação das agências, que passaram a funcionar das 10h às 14h. Para idosos, o horário é especial: das 9h às 10h. Além disso, os bancos passaram a adotar um limite de pessoas dentro das unidades. Apesar dos ajustes internos, o que se vê do lado de fora são enormes filas e aglomeração.

No Rio de Janeiro ou em São Paulo, grande parte das agências passou a receber um fluxo maior do que o esperado de pessoas. Os clientes estão em busca de renegociarem suas dívidas — pois o Banco Central criou mecanismos que permitem a postergação dos pagamentos em até 60 dias — e dar entrada para receber os auxílios do governo. A Febraban ressalta a importância da população utilizar os canais digitais das instituições para evitar idas desnecessárias às agências. Pela internet, é possível fazer transferências, tirar extratos, pagar contas, pedir empréstimos, negociar dívidas e contratar seguros, por exemplo.

Para evitar mais aglomeração, como é indicado pela Organização Mundial da Saúde, os bancos anunciaram medidas adicionais para enfrentar o coronavírus. O Itáu afastou os funcionários do grupo de risco e estabeleceu procedimentos a serem adotados em caso de identificação de sintomas da doença nos colaboradores. Além disso, para reforçar o atendimento online, o banco criou um canal específico para conscientizar os clientes sobre a pandemia e reforçar a realização de operações sem sair de suas casas.

O Bradesco antecipou para 8h a abertura das agências para aposentados e pensionistas do INSS, assim, o atendimento a esse grupo acontece por duas horas, até as 10h, quando as agências são abertas para o público. Os funcionários do banco estão orientados a preservar a recomendação de manter a distância mínima de 1,5m entre as pessoas. A entrada nas agências é escalonada: podem entrar de 5 em 5 ou de 10 em 10 pessoas, dependendo do tamanho de cada unidade. O Bradesco adotou também um sistema de rodízio entre os funcionários, em que eles se revezam em turnos semanais.

Continua após a publicidade

No Santander, o acesso dos clientes ocorre de forma escalonada, em grupos de 10 a 20 pessoas por vez. O banco antecipou ainda para abril do pagamento de 100% do 13º salário aos 47 mil funcionários da empresa e afirmou que não iniciará nenhum processo de demissão, à exceção de casos de justa causa ou de violação do Código de Ética da organização.

ASSINE VEJA

O vírus da razão O coronavírus fura a bolha de poder inflada à base de radicalismo. Leia também: os relatos de médicos contaminados e a polêmica da cloroquina
Clique e Assine

A Caixa reforçou que não é necessária corrida às agências ou casas lotéricas para cadastramento, consulta ou saque do Auxílio Emergencial. O cadastramento pode ser realizado digitalmente pelo aplicativo CAIXA | Auxílio Emergencial e pelo site. Além disso, o banco ampliou o rol de serviços disponíveis em aplicativos para acesso a informações e transações de cartões de crédito, FGTS, benefícios sociais e habitação. 

O Banco do Brasil segue a mesma linha e disponibiliza uma série de serviços que podem ser feitos pela internet. Além disso, o banco selecionou um grupo de agências de grande fluxo e viabilizou a abertura das salas de autoatendimento das 6h às 22h. O banco orienta que as pessoas mantenham a distância mínima de dois metros entre si.

Publicidade