Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Prioridade dos EUA é fechar acordo com 10 países no Pacífico

Parceria Transpacífico (TPP, na sigla em inglês) tende a ser engrossada nos próximos meses pela adesão do Japão e da Coreia do Sul

Por Da Redação - 11 mar 2013, 10h12

O anúncio do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, sobre o início da negociação de um acordo de livre comércio com a União Europeia (UE), a ser concluído em dois anos, não desvia o foco da Casa Branca em sua prioridade máxima e mais imediata nesse campo: fechar um tratado comercial com outros 10 países banhados pelo Pacífico. A Parceria Transpacífico (TPP, na sigla em inglês) tende a ser engrossada nos próximos meses pela adesão do Japão e da Coreia do Sul.

Os parceiros dos Estados Unidos esperam ver o acordo fechado até dezembro deste ano. Na semana passada, em Singapura, deu-se a 16.ª rodada de negociações. À beira do desespero por um aumento substancial em suas exportações, os EUA acreditam que um mecanismo de livre comércio com essa região trará benefícios a seus exportadores e à sua economia em curto e médio prazo. Reformas serão exigidas em todos os participantes, inclusive os EUA, para aumentar a competitividade em um ambiente sem barreiras comerciais.

Leia mais:

Déficit comercial dos EUA com a China salta 14% em janeiro

Publicidade

“Ter relação profunda com a Ásia é uma política do presidente Obama. Vamos aumentar nosso engajamento com a região e, por isso, a TPP é uma prioridade máxima para nós”, afirmou Jose Fernandez, secretário-assistente de Estado para Assuntos Econômicos e de Negócios. “Há muito entusiasmo com a adesão do Japão. Se isso ocorrer, a TPP abarcará 30% do comércio mundial. Mas, certamente, dificultará as decisões a serem tomadas, inclusive por nós mesmos.”

Os 11 países, juntos, respondem por uma produção anual de 21 trilhões de dólares. Os 10 parceiros dos EUA na TPP formam o maior mercado de bens e serviços para os produtores americanos. As exportações de bens dos EUA para a região alcançou 895 bilhões de dólares em 2011, 59% do total embarcado pelo país. Incluídos Japão e a Coreia do Sul, a produção total da TPP subirá para 28 trilhões de dólares, e o acordo envolverá o destino de mais 110 bilhões de dólares em produtos americanos.

Os EUA já se beneficiam de acordos de livre comércio com cinco dos países da TPP – Canadá, Chile, Cingapura, Peru e México. Os mercados da Austrália, Brunei, Malásia, Nova Zelândia e Vietnã são os alvos primordiais. A negociação e o acordo final estarão abertos à inclusão de novos membros, avisa Fernandez, em uma sinalização para a eventual adesão, no futuro, da China.

Leia ainda: Sem acordo, EUA encaram início de corte orçamentário de US$ 85 bi

Publicidade

(com Estadão Conteúdo)

Publicidade