Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Previdência prevê déficit de R$ 57 bi em regime da União

Déficit cresce a 10% ao ano

Por Da Redação 29 ago 2011, 12h20

No ano passado, o rombo foi de 51 bilhões de reais, dos quais 19 bilhões de reais são específicos dos militares

O déficit da Previdência do Regime Próprio da União deverá chegar a 57 bilhões de reais este ano, segundo estimativa apresentada nesta segunda-feira pelo secretário de Políticas de Previdência Complementar do Ministério da Previdência Social, Jaime Mariz. “O déficit está crescendo 10% ao ano. Isso é algo que nos preocupa”, avaliou.

No ano passado, o rombo foi de 51 bilhões de reais, dos quais 19 bilhões de reais são específicos dos militares. Com essa perspectiva de crescimento do resultado negativo, o valor do déficit se aproxima cada vez mais, conforme Mariz, à ordem de grandeza do orçamento do Ministério da Educação – de cerca de 60 bilhões de reais – e da Saúde, de aproximadamente 70 bilhões de reais. O saldo vermelho dessa conta é bancado pelo Tesouro Nacional.

Dois pontos tornam esse cenário ainda mais nebuloso. O primeiro é o número de assistidos, que, no regime próprio, é de apenas 950 mil pessoas. Para se ter uma ideia, o regime geral abrange um total 24 milhões de contribuintes da iniciativa privada. No ano passado, o déficit da Previdência desse grupo de pessoas custou ao Tesouro Nacional 43 bilhões de reais e a expectativa é a de que, com o aumento da arrecadação gerado pelo crescimento da formalização do mercado de trabalho, o rombo ceda para um intervalo entre 38 bilhões de reais e 39 bilhões de reais este ano.

O outro ponto é o de que, de acordo com o secretário, 40% dos 1,111 milhão de servidores que estão na ativa hoje e que estão no âmbito do regime próprio deverão se aposentar nos próximos cinco anos, deixando a conta ainda maior para o Tesouro. “A partir daí, com certeza, o crescimento vai passar dos 10% ao ano e o déficit será aumentado ainda mais”, disse Mariz.

O secretário salientou, ainda, que o sistema de partição simples, que existe hoje, está estrangulado, já que a relação do total de pessoas que contribuem para o regime próprio e o de aposentados é de 1,17. O ideal seria, de acordo com ele, uma proporção de quatro para um. “Há inviabilidade do sistema de partição existente hoje. Recolhe quem está na ativa para dar a quem está aposentado. Não se guardam recursos. Por isso esse déficit tão grande”, avaliou.

(Com Agência Estado)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)