Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Previdência: mercado já não conta com votação de reforma

Decisão do governo de intervir na segurança do Rio afetou pouco a bolsa e o dólar

Por Felipe Machado Atualizado em 16 fev 2018, 15h46 - Publicado em 16 fev 2018, 12h15

A decisão do governo de intervir na segurança pública do Rio de Janeiro terá impacto pequeno para o mercado financeiro, segundo analistas consultados por VEJA. O maior efeito é a postergação da reforma da Previdência, cujo déficit crescente é ruim para as contas públicas do país. A Constituição não pode ser alterada enquanto durar uma intervenção federal, e a mudança nas aposentadorias e pensões é uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição). O Planalto pretendia discutir a reforma em plenário na próxima semana e votá-la até o fim do mês.

Mas em meio aos sinais do próprio governo e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de que há dificuldades para cumprir o prazo, os agentes do mercado já não tinham grande expectativa de que a medida seria aprovada. “O mercado está receoso, achando que a reforma da Previdência não sai tão cedo”, diz Pedro Afonso, chefe de operações da corretora Gradual.

Dessa forma, a aprovação da medida já ficava fora dos cálculos de muitos – no jargão econômico, diz-se que o adiamento estava “precificado”. “O impacto não é grande. Não há sinais de stress, como queda forte da bolsa, e o dólar e os juros subirem”, avalia Pedro Silveira, economista-chefe da corretora Nova Futura Investimentos.

A Bolsa de Valores de São Paulo operava em queda de 0,2% por volta das 11h50 desta sexta-feira, aos 84.122 pontos. O dólar comercial subia 0,11%, sendo vendido a 3,2396 reais. A avaliação é de que se a reforma não for aprovada até o fim do mês, haverá dificuldade para discuti-la depois em meio às preocupações dos parlamentares com as eleições.

Para Fabio Klein, analista da consultoria Tendências, outro efeito possível para as contas públicas, além do adiamento da reforma da Previdência, seria o aumento de auxílios financeiros ao Rio de Janeiro além do previsto no Orçamento, ou para outros estados com problemas parecidos, como o Rio Grande do Norte .”Não que isso seja o cenário mais provável, mas também não podemos descartá-lo”, considera.

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês