Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

‘Prévia do PIB’ confirma economia mais forte que o esperado em 2023

IBC-Br, indicador mensal do Banco Central, apontou crescimento de 2,45% na atividade econômica do ano passado e surpreendeu no desempenho de dezembro

Por Juliana Elias Atualizado em 19 fev 2024, 15h57 - Publicado em 19 fev 2024, 11h59

Os resultados do IBC-Br, uma prévia do PIB calculada mensalmente pelo Banco Central (BC), surpreenderam na reta final do ano passado e, na visão de economistas, confirma que o país encerrou 2023 com um crescimento forte.

Divulgado nesta segunda-feira (19), o IBC-Br apontou um crescimento na atividade econômica de 2,45% no ano passado. Como os resultados do indicador do BC têm vindo mais baixos que os do PIB nos levantamentos recentes, por conta, em boa parte, das diferenças metodológicas, os analistas acreditam que o dado confirma as expectativas de uma economia que cresceu perto de 3% no ano passado. É um desempenho bem mais forte do que o que se falava no início do ano, quando as projeções mais otimistas falavam em um avanço na casa de 1%.

O produto interno bruto é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e o resultado fechado de 2023 será divulgado em 1º de março.

“O sinal para o PIB do ano é francamente favorável e, como o último mês [do IBC-Br] teve um número acima do esperado, estatisticamente há um viés de melhora também para 2024″, diz o economista-chefe do Banco Fator, José Francisco Lima Gonçalves. A estimativa de Gonçalves é de um PIB na ordem de 2,9% para 2023.

Em dezembro, o IBC-Br avançou 0,82% ante novembro. As expectativas falavam em algo em torno de 0,4%. Com a alta de 0,22% na passagem do terceiro para o quarto trimestre, o indicador também dissipa as expectativas que, até pouco tempo atrás, eram de crescimento zero ou até levemente negativo para os três últimos meses de 2023.

Continua após a publicidade

“Não é um número exuberante, nós sabemos que a economia desacelerou no quarto trimestre, mas o dado afasta a possibilidade de queda e mantém o trimestre no território positivo”, diz o economista-chefe do Banco Master, Paulo Gala. “Como não há sinais mais fortes de contração, o ano pode ter fechado com um crescimento de 2,8% ou 2,9%, e mesmo um crescimento de 3% não está descartado.”

“O resultado [do mês] foi derivado da melhora da indústria, que subiu em dezembro 1,1%, e dos serviços, que variou 0,3%”, disse o economista e consultor André Perfeito. “Contudo, vale reforçar que muito do crescimento se dá sobre uma base de comparação ainda frágil, logo, crescer não é tão difícil assim”, acrescentou.

Apesar das surpresas positivas a respeito do que aconteceu em 2023, os economistas ainda estão mexendo pouco nas projeções para 2024, que são de desaceleração econômica. A expectativa média dos analistas de mercado é de alta de 1,6% no PIB deste ano, de acordo com as medições do Boletim Focus.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.