Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Pressionada, Petrobras reduz preço do diesel por 15 dias

A medida foi anunciada em um momento em que a estatal é pressionada pela greve dos caminhoneiros, iniciada na segunda-feira

Por Redação - Atualizado em 23 maio 2018, 20h31 - Publicado em 23 maio 2018, 19h37

O presidente da Petrobras, Pedro Parente, anunciou hoje que reduzirá o preço do diesel nas refinarias em 10% por um período de 15 dias. A medida foi anunciada em um momento em que a estatal é pressionada pela greve dos caminhoneiros, iniciada na segunda-feira, contra o preço do diesel, que acumula uma alta de mais de 50% desde que a empresa adotou uma nova política de preços baseada na cotação do mercado internacional.

“Serão 15 dias para desanuviar o ambiente e poder trabalhar. Esse é o tempo para o governo negociar com os caminhoneiros”, afirmou Parente. 

A redução de 10% equivale a 0,2335 centavos por litro no valor médio do diesel comercializado nas refinarias. Isso significa, segundo a Petrobras, o preço médio de venda nas refinarias vai para 2,1016 reais por litro.

A paralisação já afetou vários setores da economia, como abastecimento de supermercados, entrega de legumes, verduras, produção de carnes, laticínios e veículos. Empresas de ônibus não têm combustível para operar nos próximos dias. Alguns aeroportos também sofrem com a falta de querosene de aviação, caso do de Brasília (DF).

Publicidade

Ao anunciar a redução temporária de preço, Parente negou que a medida represente uma mudança na política de preço da estatal. “A atual política de preços da Petrobras é a mais acertada, porque o câmbio e o preço das commodities mudam todo dia. A empresa não pode assumir riscos de mercado. Não consideramos a hipótese de rever essa política.”

Ontem, após se reunir com o ministro da Fazenda, Eduardo, Guardia, o presidente da Petrobras negou que a Petrobras alteraria o preço para conter a greve. O mesmo Guardia, que disse dois dias atrás que não havia espaço para reduzir impostos sobre combustíveis, afirmou ontem que o governo aceitaria zerar a Cide sobre combustíveis se o Congresso votasse o projeto de reoneração da folha de pagamentos. Essa medida, entretanto, tem pouco efeito sobre o preço do combustível: apenas 0,05 centavos por litro.

Como essa medida, entretanto, tem pouco efeito sobre o preço do combustível – apenas 0,05 centavos por litro -, os caminhoneiros mantiveram a paralisação. A decisão da Petrobras de reduzir o preço do diesel foi anunciada após terminar sem acordo a reunião entre representantes do governo com os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e dos Transportes, Valter Casimiro. Sem esse acordo, os caminhoneiros estenderam a greve até quinta-feira.

Ao reduzir o preço do diesel, Parente disse que espera que a estatal tenha contribuído para a negociação para o fim da greve. “É importante que as partes, governo e caminhoneiros, tenham boa vontade durante as negociações. O nosso movimento, de manter o preço fixo por 15 dias, não é uma solução definitiva, ela tem que ser dada pelo governo. Fizemos a nossa parte para interromper os transtornos.”

Publicidade

Essa negociação, na opinião do presidente da Petrobras, passa pela redução dos impostos incidentes sobre o preço dos combustíveis. “A negociação [com os caminhoneiros] tem que passar pela discussão da redução da carga tributária. A carga tributária representa a maior parcela da formação dos preços dos combustíveis.”

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou ontem que vai incluir a redução de PIS/Cofins para o óleo diesel até o fim do ano no texto do projeto de lei da reoneração da folha de pagamento para reduzir os preços do combustível.

Pedro Parente Presidente da Petrobras, Pedro Parente, anuncia redução de 10 por cento no preço do Diesel – 23/05/2018

Presidente da Petrobras, Pedro Parente, anuncia redução de 10 por cento no preço do Diesel – 23/05/2018 TV Globo/Reprodução

 

Publicidade