Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Prejuízo da Gol aumenta 81,8% no 1º trimestre

Empresa registrou prejuízo líquido de 75,29 milhões de reais no período, ante perdas de 41,4 milhões de reais nos três primeiros meses de 2012

A Gol registrou prejuízo líquido de 75,29 milhões de reais no primeiro trimestre deste ano, ante perdas de 41,4 milhões de reais registradas em igual período do ano passado, um crescimento de 81,8%.

A dívida líquida da Gol voltou a crescer no primeiro trimestre, alcançando 3,727 bilhões de reais, 37,2% acima dos 2,717 bilhões de reais ao final de março de 2012 e 3,4% superior aos 3,606 bilhões de reais observados no encerramento do ano passado.

No primeiro trimestre, a Gol reduziu em 15,7% sua oferta de assentos no mercado doméstico e atingiu um crescimento de 12,4% na receita de passageiro por assento quilômetro (PRASK) na comparação com o primeiro trimestre de 2012, passando para 0,1546 real, de 0,1375 real.

Leia também:

Gol traça três rotas para tentar voltar para o azul

TST suspende multa à Gol por demissões da Webjet

A Gol devolveu mais quatro aeronaves B737-300 remanescentes da operação Webjet no primeiro trimestre, encerrando o período com 15 aeronaves desse modelo, sendo nove arrendadas e seis próprias. A companhia reiterou que a totalidade de aeronaves arrendadas será devolvida até o final do primeiro semestre e que as seis aeronaves de propriedade da empresa estão em fase de negociação para venda.

Com essas devoluções, a companhia encerrou o trimestre com uma frota total de 148 aeronaves e uma frota operacional de 131 aeronaves B737-700 e 800 NG, seis a mais do que no encerramento do ano passado. A idade média baixou de 7,2 para 7,1 anos. A companhia segue com a intenção de chegar ao final do ano com frota de 137 aviões.

Investimentos – No primeiro trimestre, os investimentos atingiram aproximadamente 242 milhões de reais, sendo 71% desse total relacionado ao plano de aquisição de aeronaves, enquanto as compras de peças aeronáuticas e reconfiguração e benfeitorias em aeronaves representaram quase 29%; e investimentos em bases, Tecnologia da Informação e na expansão do centro de manutenção em Confins (MG), totalizaram aproximadamente 1%.

(com Estadão Conteúdo)