Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.

Preços globais de alimentos recuam em setembro, aponta FAO

Por Da Redação - 6 out 2011, 10h08

Por Svetlana Kovalyova

MILÃO (Reuters) – Os preços de alimentos no mundo devem continuar caindo depois da queda vista em setembro por causa da maior oferta de grãos e da redução da demanda, disse a ONU na quinta-feira, atenuando as preocupações inflacionárias.

Mas a incerteza econômica e as limitações nos estoques de cereais devem gerar volatilidade nos preços, disse Abdolreza Abbassian, economista-sênior e analista de grãos na FAO (órgão da ONU para alimentação e agricultura), à Reuters Insider TV.

“É provável que os preços continuem num viés de baixa durante algum tempo,” disse Abbassian em entrevista, depois de a FAO anunciar uma queda de 2 por cento em setembro no seu índice global dos preços alimentícios, refletindo a melhora na previsão para as safras de cereais.

Publicidade

“Acho que a volatilidade continuará conosco, infelizmente … devemos nos preparar por um período conturbado,” acrescentou Abbassian.

Os preços globais de alimentos atingiram níveis recordes em fevereiro, e estão entre os fatores que motivaram os protestos da chamada Primavera Árabe.

O Índice de Preços de Alimentos da FAO, que mede as variações mensais de uma cesta composta por cereais, oleaginosas, laticínios, carne e açúcar, ficou em 225 pontos em setembro, 4,5 pontos abaixo de agosto, devido à queda nos preços dos grãos, do açúcar e dos óleos comestíveis.

O índice havia chegado a 238 pontos em fevereiro, quando havia temores de que se repetisse a crise alimentar de 2008.

Publicidade

A atual redução no índice reflete as preocupações de que a crise econômica mundial poderá reduzir a demanda, o que já provocou um movimento de venda nos mercados internacionais de grãos em setembro.

Além disso, a FAO elevou recentemente a sua previsão para a produção mundial de cereais em 2011, estimando 3 milhões de toneladas a mais, para um total de 2,31 bilhões de toneladas. A recuperação das lavouras de trigo da Europa e da Ásia motivou essa revisão.

A FAO disse que as condições para o plantio de trigo são favoráveis no Hemisfério Norte, exceto nos EUA, e que os preços atraentes devem motivar os produtores a manterem ou ampliarem as áreas cultivadas. Há boas perspectivas também para a produção de arroz, milho e cevada.

(Reportagem de Svetlana Kovalyova)

Publicidade