Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia

Preços de importados nos EUA têm maior queda em 10 meses

Por Da Redação 10 Maio 2012, 10h23

WASHINGTON, 10 Mai (Reuters) – Os preços dos importados nos Estados Unidos registraram em abril a maior queda em 10 meses devido ao recuo nos custos da energia, de acordo com relatório do Departamento do Trabalho divulgado nesta quinta-feira.

Os preços dos importados em geral recuaram 0,5 por cento em abril. Os dados de março foram revisados para mostrar um aumento de 1,5 por cento, ante alta de 1,3 por cento reportada anteriormente.

Economistas consultados pela Reuters estimavam que os preços recuariam 0,2 por cento no mês passado. Em 12 meses até abril, os preços dos importadores subiram 0,5 por cento, menor leitura desde outubro de 2009.

Excluindo petróleo, os preços de importados ficaram estáveis com os custos de bens de capital compensando o maior aumento nos preços de automóveis em dez meses, indicando que pressões inflacionárias mais amplas continuam benignas -em linha com a visão do Federal Reserve (banco central dos Estados Unidos).

Dados que serão divulgados na sexta-feira devem mostrar que os fracos custos de energia seguraram os preços no atacado em abril pelo segundo mês seguido, de acordo com uma pesquisa da Reuters.

Continua após a publicidade

Excluindo alimentos e energia, os preços ao produtor devem ter moderado, com um ganho previsto de 0,2 por cento, depois de uma alta de 0,3 por cento em março.

Os preços de alimentos importados avançaram 0,1 por cento, após crescerem 1,8 por cento no mês anterior.

Nos outros setores, os preços de bens de capital importados ficaram estáveis, depois de registrarem alta de 0,2 por cento em março. Os preços de veículos motorizados importados subiram 0,4 por cento, depois de um avanço de 0,3 por cento no mês anterior.

O relatório do Departamento do Trabalho mostrou ainda que os preços de exportação cresceram 0,4 por cento no mês passado, acima das expectativas dos analistas de ganho de 0,2 por cento. Os preços de exportação subiram 0,8 por cento em março.

(Reportagem de Lucia Mutikani)

Continua após a publicidade
Publicidade