Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Por que os hoteis no ano novo já encareceram quase 30% em relação a 2019

Buscas por passagens aéreas cresceram 400% para destinos como Recife e Porto Seguro; expectativa é que alta demanda ajude a recuperar prejuízos da crise

Por Luisa Purchio Atualizado em 7 dez 2021, 19h48 - Publicado em 7 dez 2021, 15h06

Após meses em casa com receio de contrair a Covid-19, as pessoas estão ávidas por viajar para as festas de final de ano, diante do avanço das vacinações e do controle da pandemia. De acordo com a startup VOA Hoteis, que faz gestão de tecnologia e distribuição de cerca de 85 hoteis em todo o país, as unidades da rede (2.800 quartos) já estão com ocupação superior a 85% no réveillon, muito acima do patamar pré-pandemia, quando nesta mesma época do ano a ocupação na hotelaria era de cerca de 60%.

“A procura pelo turismo interno está muitíssimo aquecida, as pessoas estão viajando muito inclusive de carro. Existe uma demanda represada muito grande”, diz José Eduardo Mendes, fundador e CEO da VOA Hotéis e também sócio fundador do Hurb. Como não poderia deixar de ser, a alta procura pelos hotéis impulsionou os preços, que subiram em média de 35% a 42% em relação a 2019. “Os hotéis sofreram muito durante a pandemia e estão aproveitando a alta demanda para recuperar os prejuízos”, diz ele, que, à frente das operações da VOA, calcula que o ano de 2021 fechará com um faturamento de 75 milhões de reais, crescimento de 806% em relação ao ano passado.

Inflação das passagens

Com a retomada da economia, a alta de preços que chegou primeiro ao setor de bens impacta também o setor de serviços, que demorou mais para se recuperar da crise. Pressionado principalmente pelo encarecimento da energia elétrica, o IPCA do setor de hospedagem, de acordo com o IBGE, acumula alta de 4,4% nos últimos 12 meses e 4,05% no ano.

Já o setor de passagens aéreas sofre ainda mais com a alta de preços das commodities. De janeiro a outubro de 2021, o IPCA acumula alta de 13,58%, enquanto nos últimos 12 meses foi de 50,11%. Com o aumento da demanda por viagens aéreas neste final de ano, o preço de muitos destinos dispararam.

Um levantamento realizado pelo portal Kayak a VEJA mostra que as buscas entre o dia 1º de outubro e 22 de novembro para viagens a serem realizadas entre os dias 27 de dezembro de 2021 e 03 de janeiro de 2022 subiram mais de 400% para destinos como Recife, em Pernambuco, e para Porto Seguro, na Bahia (veja quadro).

Os preços para alguns destinos, por sua vez, cresceram significativamente em relação ao mesmo período de 2019, como é o caso de Maceió, que subiu 17%, seguido por Natal, com alta de 9%. Entre os destinos internacionais, chama a atenção a alta de 27% no preço da passagem para Montevidéu e de 13% para Paris.

 

Continua após a publicidade

Publicidade