Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês

Preço de energia dispara no mercado de curto prazo

Todas as regiões do país ainda terão afluências bem abaixo da média em outubro, com exceção do Sul, e o nível dos reservatórios na região Sudeste/Centro Oeste pode chegar ao final do mês a 19%

Por Da Redação 17 out 2014, 19h15

O preço de energia de curto prazo voltou a subir ao patamar mais alto permitido para o ano, a 822,83 reais o megawatt, diante da redução da estimativa de chuvas que deverão chegar aos reservatórios das hidrelétricas em outubro em todas as regiões do Brasil.

A energia consumida pelas residências é proveniente de um mercado regulado pelo governo. As distribuidoras que repassam a energia ao consumidor a compram em leilões promovidos pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), que estabelece o preço a ser pago por megawatt levando em conta as perspectivas de demanda das próprias companhias. Quando a demanda excede a oferta, as distribuidoras são obrigadas a comprar no mercado de spot, também chamado de curto prazo, onde os preços são mais caros e sofrem grandes oscilações. No início do ano, o preço do megawatt ficou no patamar de 800 reais até abril.

Chuvas – Todas as regiões do país ainda terão afluências bem abaixo da média em outubro, com exceção do Sul, e o nível dos reservatórios na região Sudeste/Centro Oeste pode chegar ao final do mês a 19%, segundo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) – que seria o pior nível mensal já verificado pelo menos desde 2000.

Leia também:

Com outubro seco, déficit do Cantareira sobe 16% no mês

Justiça libera captação da 2ª cota do volume morto do Cantareira

A baixa pluviosidade desde o ano passado mantém represas do país em níveis baixos históricos. No Sudeste/Centro Oeste o nível atual de 22,09 por cento já é o mais baixo entre as represas brasileiras desde o ano do racionamento, em 2001. O governo federal descarta racionamento atualmente e afirma que o risco de haver qualquer déficit de energia em 2015 está abaixo do patamar máximo aceitável de 5%.

A expectativa de meteorologistas era de que as chuvas voltassem a ocorrer a partir das duas últimas semanas de outubro no Sudeste/Centro-Oeste, intensificando-se com o início do período úmido em novembro. Mas, segundo o Informe do Programa Mensal de Operação (PMO) do ONS divulgado nesta sexta-feira, as chuvas previstas em outubro para o Sudeste/Centro-Oeste, que concentra os principais reservatórios de hidrelétricas do país, deverão ser de apenas 67% da média histórica para o período.

(Com Reuters)

Continua após a publicidade

Publicidade