Clique e assine a partir de 9,90/mês

‘Precisamos pensar no futuro do Rio Grande do Sul’, diz Sartori

Governador fala sobre o plano de redução na estrutura da administração pública depois de decretar calamidade financeira do estado

Por Giuliano Guandalini - 27 nov 2016, 08h39

No Rio Grande do Sul, o desequilíbrio entre a despesas e a arrecadação supera 2 bilhões de reais ao ano. Extremamente endividado, o estado não consegue pagar os salários em dia. A população sofre com o fechamento de hospitais e a disparada na violência.

O governador gaúcho, José Ivo Sartori (PMDB), apresentou um plano ousado de redução na estrutura da administração pública. A gestão anterior, do petista Tarso Genro, tinha 29 secretarias. Atualmente elas são 20 e serão reduzidas para 17. Das dezenove fundações estaduais, nove serão extintas. De onze empresas estatais, restarão seis. Deverão ser privatizadas, entre outras, as companhias de gás, energia e carvão. O plano prevê ainda a redução benefícios por tempo de carreira e regras mais duras para a aposentadoria dos servidores.

Em entrevista a VEJA, o governador José Ivo Sartori (PMDB), de 68 anos, falou sobre as dificuldades enfrentadas para ajustar as finanças estaduais.

Por que foi necessário decretar estado de calamidade? Estamos fazendo ajustes desde o início do meu governo, em 2015. Cortamos cargos de confiança, viagens, consultorias. Mesmo com esses ajustes, temos um déficit estimado em 8,8 bilhões de reais até 2018. O decreto da calamidade financeira tem o intuito de fazer com que esse esforço seja compartilhado por todos, com uma nova regra de comportamento dos órgãos públicos e revisão de benefícios. Na questão dos pagamentos atrasados, por exemplo, queremos priorizar aqueles que recebem menos. Mas enfrentamos muitas decisões judicias que nos obrigam a pagar de maneira igual a todos os servidores.

Continua após a publicidade

Os cortes vão atingir as despesas na assistência social? Nos últimos 45 anos, em apenas sete o estado não registrou déficit orçamentário. Não se faz justiça social sem equilíbrio nas contas públicas. Entendemos que o governo deva se concentrar em saúde, educação, infraestrutura e segurança, além da assistência social. Não estamos olhando apenas para o momento, para o meu governo. É preciso pensar no futuro.

Por que privatizar as empresas estaduais? A questão é a seguinte: essas companhias ainda são necessárias? É dever do estado administrar uma gráfica? É papel do estado fazer mineração de carvão? Será uma caminhada dura, mas necessária. Não gostaria que meus sucessores passassem pelos constrangimentos que estamos passando.

Publicidade