Clique e assine a partir de 8,90/mês

Poupança tem o pior resultado para outubro desde 2008

Depósitos superam saques em apenas R$ 540 milhões. Resultado só não foi pior porque as aplicações aumentaram no último dia do mês

Por Da Redação - 6 nov 2014, 16h08

A poupança registrou em outubro o pior resultado para o mês desde 2008: captação líquida (diferença entre depósitos e saques) positiva de 540 milhões de reais. Há seis anos, o saldo ficou negativo em 284 milhões de reais. É o terceiro pior resultado de 2014, melhor apenas que o de agosto (saldo positivo de 518 milhões reais) e abril (saldo negativo de 1,27 bilhão de reais). Os dados foram divulgados nesta quinta-feira pelo Banco Central.

Os depósitos no mês passado atingiram pouco mais de 144,22 bilhões de reais, enquanto os saques totalizaram cerca de 143,68 bilhões de reais. Por pouco o saldo da caderneta não ficou negativo em outubro. Apenas no último dia do mês os depósitos superaram os saques em 2,59 bilhões de reais, o que ajudou a reverter o resultado de todo o período. Até o dia 30, o resultado revelava que as retiradas superavam as aplicações em 2,06 bilhões de reais. É comum haver concentração dos investimentos na caderneta no último dia útil de cada mês, com a aplicação das sobras dos salários dos poupadores.

Na série histórica iniciada em 1995, o pior resultado para o outubro é o de 2000, quando o saldo ficou negativo em 1,41 bilhão de reais.

Leia também:

Setor público tem déficit fiscal recorde em setembro, de R$ 25,5 bilhões

Governo central tem rombo recorde de R$ 20,4 bi em setembro

Rombo nas contas externas é recorde para meses de setembro

Acumulado – No acumulado dos dez meses do ano, a captação líquida da poupança está em 16,07 bilhões de reais. A aplicação segue como importante investimento entre os brasileiros. As regras de remuneração da aplicação mudaram em maio de 2012. Pelo novo modelo, sempre que a taxa básica de juros (Selic) for igual ou menor que 8,5% ao ano, o rendimento passa a ser 70% da Selic mais a Taxa Referencial (TR). Caso contrário, passa a valer a regra antiga de remuneração fixa de 0,5% ao mês mais TR – é o cenário atual, com taxa Selic fixada em a 11,25% ao ano.

(Com Estadão Conteúdo)

Continua após a publicidade
Publicidade