Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês

Porta do mercado está fechada para Espanha–ministro

Por Da Redação 5 jun 2012, 11h37

Por Julien Toyer

MADRI, 5 Jun (Reuters) – Os altos custos de empréstimo da Espanha significam que o país está efetivamente fora do mercado de títulos e a União Europeia deveria ajudar o governo espanhol a recapitalizar seus bancos endividados, afirmou nesta terça-feira o ministro do Tesouro da Espanha, Cristóbal Montoro.

O país irá testar o mercado na quinta-feira e lançar até 2 bilhões de euros (2,5 bilhões de dólares) em títulos de médio e longo prazos em um leilão, o que deixou analistas perplexos com o momento das declarações de Montoro.

“O prêmio de risco diz que a Espanha não tem a porta do mercado aberta”, disse Montoro à rádio Onda Cero. “O prêmio de risco diz que, como um Estado, nós temos um problema para acessar os mercados, quando nós precisamos refinanciar nossa dívida.”

Montoro disse que os bancos espanhóis deveriam ser recapitalizados através de “mecanismos europeus”, afastando-se da postura anterior do governo de que a Espanha poderia levantar dinheiro por si só.

Continua após a publicidade

O prêmio de risco que os investidores demandam para deter títulos de 10 anos em vez dos equivalentes alemães atingiram o maior nível na era do euro de 548 pontos-base na sexta-feira, em meio a preocupações de que o frágil sistema bancário da Espanha e regiões amplamente endividadas do país irão eventualmente forçar o país a buscar um resgate aos moldes do que foi dado à Grécia.

O euro caiu para a mínima do dia contra o dólar e os futuros do Bund (títulos alemães) subiram em resposta à avaliação de Montoro. No entanto, o mercado de ações da Espanha estava em alta e os yields dos títulos de 10 anos do país ficaram estáveis abaixo de 6,4 por cento.

“O mercado ainda está bastante nervoso, essas declarações dificultarão o leilão”, disse Emile Cardon, economista do Rabobank.

O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, também demonstrou preocupação de que a Espanha não pode continuar se financiando indefinidamente no mercado a custos de empréstimos tão altos.

Ele tem repetidamente pedido uma ação urgente, o que é entendido como uma ação do Banco Central Europeu para retomar seu programa de compra de títulos ou injetar mais liquidez no sistema financeiro.

(Reportagem de Julien Toyer)

Continua após a publicidade


Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo da VEJA! Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.

a partir de R$ 39,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet.

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Edições da Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 19,90/mês