Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Por que a Apple está vendendo menos iPhones do que previa? Porque ele é muito caro

Tim Cook, CEO da empresa, admite que desempenho foi afetado pela estratégia de vender o produto "pelo maior preço possível"

A Apple divulgou vendas de iPhone abaixo do esperado no último trimestre, em um momento em que a companhia começa a sentir os efeitos da desaceleração da economia no mercado chinês. Foram 74,8 milhões de iPhones vendidos nos três meses encerrados em 26 de dezembro. Foi o primeiro trimestre completo de comercialização do iPhone 6S e 6S Plus. O crescimento de 0,4% foi o mais lento desde que o produto foi lançado, em 2007.

A empresa está vendendo menos iPhones, entre outros motivos, por causa de sua política de cobrar o maior preço possível pelo produto, estratégia adotada para manter em constante crescimento suas margens de lucro. A constatação foi feita nesta terça-feira pelo próprio Tim Cook, principal executivo (ou CEO, na sigla em inglês) da empresa, em conferência com investidores.

No trimestre encerrado em 26 de dezembro, o preço médio de venda do iPhone subiu 4 dólares, passando de 687 dólares para 691 dólares (quase 2.800 reais, segundo o câmbio atual). No Brasil, o site da empresa oferece o modelo 6S por 3.999 reais e o 6S Plus, por 4.299 reais.

O lucro da companhia no trimestre cresceu 1,9%, para 18,4 bilhões de dólares. Trata-se do maior lucro já registrado por uma empresa em um só trimestre. Nos últimos meses, analistas temiam que as vendas da Apple na China, um de seus dois principais mercados, iriam vacilar em meio a uma maior desaceleração da economia. As vendas de fato foram menores que o esperado, mas, por ora, como se vê, o lucro não foi afetado.

As vendas de iPhones ficaram abaixo das expectativas de analistas, de 75,5 milhões, de acordo com a empresa de pesquisa FactSet StreetAccount. Ainda assim, as receitas cresceram 1,7%, para 75,87 bilhões de dólares, também um recorde para a companhia.

Leia também:

Apple deve cortar produção do iPhone 6S e 6S Plus

Apple, Google e Tesla lideram ranking das empresas inovadoras

(Com agência Reuters)