Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Polícia americana diz que sócio foragido da TelexFree está no Brasil

Segundo autoridades dos Estados Unidos, Carlos Wanzeler teria fugido pelo Canadá para São Paulo

Autoridades americanas afirmam que Carlos Wanzeler, o sócio brasileiro da TelexFree, está no Brasil. Ele é considerado foragido pela polícia local desde a última sexta-feira. Segundo o Departamento de Segurança Nacional dos Estados Unidos, sua fuga teria começado em 15 de abril, quando a sede da companhia, em Marlborough, no estado americano de Massachusetts, foi invadida por agentes federais americanos, após uma investigação apontar evidente prática de pirâmide financeira – a TelexFree teria levantado mais de 1 bilhão de dólares de maneira fraudulenta.

Para escapar da vigilância da polícia americana, Wanzeler, primeiramente, dirigiu seu carro BMW com a filha, Lyvia Wanzeler, até o Canadá. Ele cruzou a fronteira dos EUA com Lacolle, na província de Quebec, por volta de 23 horas daquela terça-feira, 15 de abril. Dois dias depois, pai e filha teriam embarcado em um voo da Air Canada de Toronto para São Paulo. Wanzeler entrou no país usando um passaporte brasileiro. Nesse mesmo dia, agentes federais executaram um mandado de busca e apreensão na casa de Wanzeler, onde estava sua esposa, Katia. Ela teria dito às autoridades que o marido estava em um hotel, conforme recomendação de advogados. Na noite dessa quarta-feira, Katia foi presa no aeroporto de Nova York tentando deixar os Estados Unidos, segundo o jornal “The Boston Globe”. Ela estava sendo procurada como uma das testemunhas dos crimes financeiros cometidos pela matriz da TelexFree nos EUA.

Na sexta-feira, 9 de maior, o sócio de Wanzeler na TelexFree, James Merrill, foi preso nos EUA acusado de fraude financeira. Se forem condenados, os executivos podem pegar até vinte anos de prisão.

Leia ainda:

Saiba o número crucial que revela que a TelexFree tem características de pirâmide

TelexFree: os slogans inacreditáveis usados para atrair divulgadores

​Para Justiça, possível mentor da TelexFree é ‘especialista’ em pirâmides

Cenário – Os bens da TelexFree foram bloqueados pela Justiça de Massachussetts no mês passado e o diretor financeiro da empresa, Joseph Craft, foi pego tentando fugir com inúmeros cheques no valor de 38 milhões de dólares destinados aos donos da TelexFree nos EUA, James Merrill e Carlos Wanzeler. Segundo a procuradora Carmen M. Ortiz, que assinou parecer sobre o caso, o escopo da suposta fraude “é de tirar o fôlego”. “Esses réus planejaram um esquema que captou centenas de milhões de dólares de pessoas que trabalham duro no mundo todo.”

A filial brasileira está sob investigação desde o ano passado por prática de pirâmide no Brasil, com os bens bloqueados e impedida de funcionar por uma decisão da Justiça do Acre. Ela foi recentemente condenada pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, órgão da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon/MJ) a pagar uma multa de 5,590 milhões de reais por operar “esquema financeiro piramidal”, que é crime contra a economia popular no Brasil.

Leia também:

TelexFree: como o caso traumatizou uma cidade

‘Divulgadores da TelexFree têm o direito de pedir o dinheiro de volta’, diz Ministério da Justiça

TelexFree é multada em R$ 5,6 milhões por operar pirâmide

Entenda por que as pirâmides financeiras são insustentáveis